MiGRA Portugal: combater o estigma e o desconhecimento sobre enxaqueca na mira da associação
23/09/2019 17:01:04
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
MiGRA Portugal: combater o estigma e o desconhecimento sobre enxaqueca na mira da associação

A Associação Portuguesa de Doentes com Enxaqueca e Cefaleias (MiGRA Portugal) foi oficialmente apresentada no passado dia 12 de setembro, data em que se assinala o Dia Europeu de Ação na Enxaqueca. Em entrevista, a presidente da MiGRA, Madalena Plácido, e a Dr.ª Elsa Parreira, presidente da Sociedade Portuguesa de Cefaleias (SPC), comentam a importância da criação desta associação para a defesa dos interesses dos doentes que sofrem de enxaqueca e cefaleias em Portugal. Assista aos vídeos.

A apresentação da MiGRA Portugal ficou marcada pelo lançamento de uma música, com letra da Prof.ª Doutora Raquel Gil-Gouveia, da SPC, e cantada por Rita Redshoes, que pretende sensibilizar para o impacto da enxaqueca na vida dos doentes. Segundo explica Madalena Plácido, a música aborda o estigma que ainda está fortemente subjacente à enxaqueca, "que ainda não é vista como uma doença real" e incapacitante. O objetivo é, assim, "sensibilizar a população em geral, mas também a comunidade médica, os órgãos decisores e as entidades patronais" para os efeitos devastadores da doença.

A música foi partilhada no Facebook oficial da MiGRA Portugal, onde se apela à partilha com a hashtag #whatcantyousee.

Para além da consciencialização para a enxaqueca, Madalena Plácido revela que outro dos pilares de ação da MiGRA Portugal passa pela capacitação dos doentes: pretende-se investir na literacia em saúde, fornecendo aos doentes "o máximo de informação possível" para que possam "gerir melhor a sua patologia" e conseguirem melhorar a qualidade de vida.

.

A Dr.ª Elsa Parreira acredita que a MiGRA vem colmatar uma lacuna importante sentida em Portugal, surgindo assim para "ajudar e zelar pelos interesses doe doentes". A presidente da SPC afirma que a sociedade científica está "disponível e quer colaborar o mais possível com a associação", fazendo votos de que esta parceria seja "muito frutuosa e duradoura".

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019