OSTEOGLUTIS foi o projeto vencedor da 3.ª edição da bolsa de investigação em mieloma múltiplo
27/06/2019 17:14:54
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
OSTEOGLUTIS foi o projeto vencedor da 3.ª edição da bolsa de investigação em mieloma múltiplo

O Prof. Doutor Vasco Bonifácio, do Instituto de Bioengenharia e Biociências (IBB) do Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa (IST-UL), é o investigador responsável pelo projeto vencedor da 3.ª edição da bolsa de investigação em mieloma múltiplo. O prémio de 10 mil euros tem como intuito impulsionar a investigação no desenvolvimento de novas terapias para o mieloma múltiplo baseadas em medicina regenerativa. Para além do investigador principal, a equipa é constituída pela Prof.ª Doutora Sandra Pinto e pela Prof.ª Doutora Margarida Diogo. Em entrevista à News Farma, os investigadores explicam os principais objetivos do projeto. Assista ao vídeo.

O projeto vencedor apresenta uma nova abordagem para o tratamento do mieloma múltiplo e que “implica o uso de nanopartículas oxidantes que irão fazer a diferenciação de células estaminais em osteoblastos. Aquilo a que chamamos uma diferenciação osteogénica”, refere o Prof. Doutor Vasco Bonifácio. O especialista acrescenta que estes osteoblastos vão ajudar na regressão ou no combate das células plasmáticas do mieloma múltiplo.

A Prof.ª Doutora Margarida Diogo, a quem coube, no decorrer da investigação, a diferenciação osteogénica de MSCs derivadas de hiPSCs, refere que “para estudar a possibilidade destas nanopartículas promoverem a diferenciação osteogénica” é utilizada “uma abordagem in vitro em que, no laboratório, vamos cultivar estas células estaminais que podem, aliás, ser obtidas a partir do próprio doente e verificar a possibilidade de as nanopartículas promoverem esta diferenciação osteogénica”.

“Vamos testar qual o nível de compatibilidade destas partículas, porque a parte de diferenciação de células estaminais pode correr bem, mas pode ter efeitos adversos para outras células”, alerta a Prof.ª Doutora Sandra Pinto que efetuou os estudos de biocompatibilidade e bioimagem.

O projeto vencedor desta bolsa pretende assim contribuir para uma melhor compreensão das lesões ósseas no mieloma.

A 3.ª edição da bolsa de investigação em mieloma múltiplo é uma iniciativa da Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) e da Sociedade Portuguesa de Hematologia (SPH), com o apoio da Amgen Biofarmacêutica.

Vídeo

4D Visions19

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019