Cem anos de insulinoterapia: “A introdução da insulina no tratamento da diabetes foi um marco extraordinário”
06/01/2021 18:14:15
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Cem anos de insulinoterapia: “A introdução da insulina no tratamento da diabetes foi um marco extraordinário”

“A introdução da insulina no tratamento da diabetes foi um marco extraordinário”. Quem o diz é o Prof. Doutor Davide Carvalho, presidente da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo (SPEDM), que, em conversa com a News Farma, adianta que a entidade comemorará o centenário da insulinoterapia com uma exposição itinerante. Veja o vídeo.

 

Realizada em colaboração com o Museu Maximiano de Lemos da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, a exposição terá início no próximo dia 28 de janeiro, no Hospital Garcia de Orta, percorrendo todos os distritos do continente e das regiões autónomas dos Açores e da Madeira. O evento termina em janeiro de 2022, ano em que se comemora o centenário da primeira administração da insulina a uma criança de 14 anos.

Em agosto de 1921, diz o Prof. Doutor Davide Carvalho, a insulina foi administrada de forma experimental a cães tornados diabéticos por pancreatectomia, verificando-se a normalização dos valores de glicemia no sangue. Banting e Best, autores desta experiência, receberam o prémio Nobel da Medicina pela descoberta, em 1923. Em todo o mundo, 2021 será o ano destas comemorações.

“Com a introdução da insulina tudo mudou. Em termos de qualidade de vida, os doentes passaram a ter uma expectativa de vida quase que normal, com uma redução significativa do aparecimento de complicações, nomeadamente complicações agudas, neste caso a cetoacidose diabética, que era a principal causa de morte nesta fase e que fazia com que os doentes muito rapidamente ficassem muito debilitados e incapacitados de ter uma qualidade de vida normal”, salienta o especialista.

A exibição inclui um exemplar da obra do português João Rodrigues (1511-1568), “Amato Lusitano”, uma das primeiras descrições do tratamento da diabetes. Além disso, estarão disponíveis para observação também as primeiras agulhas, seringas, dispositivos para avaliar a glicemia, e até bombas infusoras sofisticadas.

Como afirma o Prof. Doutor Davide Carvalho, “o progresso tem sido enorme e esta exposição reflete precisamente as diversas fases e presta homenagem às pessoas que durante estes 100 anos se dedicaram não só ao desenvolvimento, mas também à sua aplicação aos doentes diabéticos”.

A exposição terá início em paralelo com a 72.ª Reunião Anual da SPEDM, que acontece, pela primeira vez, em formato virtual, de 28 a 31 de janeiro.

 

Vídeo


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019