Árvores junto a escolas ajudam a reduzir a inflamação das vias aéreas das crianças
04/01/2021 16:04:48
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Árvores junto a escolas ajudam a reduzir a inflamação das vias aéreas das crianças

Um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto revela impacto positivo de árvores junto de 20 escolas primárias da cidade do Porto para a diminuição de níveis de óxido nítrico exalado em crianças.

A investigação, que surge no seguimento de um artigo prévio, que apontava o benefício dos espaços verdes para a função pulmonar das crianças, teve como propósito verificar se a densidade e o tipo de árvores existentes ao redor das escolas afeta a inflamação das vias aéreas das crianças, condição associada a sintomas como dificuldade em respirar, tosse seca e pieira.

Os autores avaliaram o número e o tipo de árvores que se encontravam a uma distância de 500 metros de 20 escolas primárias da cidade do Porto, que aceitaram participar na investigação. No estudo, foi considerada a presença de coníferas, como os pinheiros, e de árvores de folha larga, como os plátanos.

Paralelamente, os investigadores avaliaram a função pulmonar e o nível de inflamação das vias aéreas de uma amostra de 845 crianças que se encontravam a frequentar as referidas instituições de ensino. O marcador usado para avaliar a inflamação das vias aéreas foi o óxido nítrico exalado pelas crianças.

O óxido nítrico “é formado no nosso organismo e consiste numa resposta do processo inflamatório a um fator externo. Em zonas com maior poluição há, à partida, um aumento da resposta inflamatória, e, consequentemente, uma maior produção de óxido nítrico pelo organismo”, indica a Dr.ª Inês Paciência, primeira autora do estudo, coordenado pelo Dr. André Moreira.

A investigação concluiu que as crianças que estudam em escolas com uma maior densidade de árvores de folha larga ou coníferas no seu entorno exalam menores quantidades de óxido nítrico, o que significa que apresentam uma menor resposta inflamatória das vias aéreas.

Como explica a Dr.ª Inês Paciência, este tipo de árvores pode ajudar a diminuir a poluição presente no ar, quer servindo de barreira aos poluentes, quer absorvendo elas próprias alguns poluentes, contribuindo assim para reduzir a poluição em algumas zonas ao redor das escolas”. Por essa razão, “os níveis de óxido nítrico exalado pelas crianças são menores”.

Os autores destacam que os efeitos benéficos da presença de árvores perto das escolas não se fazem sentir apenas em crianças asmáticas, mas também em crianças saudáveis: “Observámos que, tanto as crianças não asmáticas como as asmáticas, tiveram uma diminuição da inflamação das suas vias aéreas, e que estas últimas apresentaram também uma redução da sintomatologia associada à asma”.

“É importante termos uma cidade verde, que promova a melhoria da qualidade do ar, porque este tem impacto na qualidade de vida e na saúde da população. A nível de urbanismo, é crucial pensarmos na tipologia de árvores que colocamos à volta dos edifícios e na forma como estas podem ajudar a reduzir a poluição”.

Os investigadores Dr. João Rufo, Dr.ª Ana Isabel Ribeiro, Dr.ª Francisca Castro Mendes, Dr.ª Mariana Farraia, Dr.ª Diana Silva e Dr. Luís Delgado participaram também neste artigo. A conclusão é de um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), publicado na revista European Annals of Allergy and Clinical Immunology. O estudo pode ser consultado aqui.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019