Ensaio ZUMA-1 confirma sobrevivência a longo prazo de doentes com LBCL tratados com axicabtagene ciloleucel
18/12/2020 10:35:37
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Ensaio ZUMA-1 confirma sobrevivência a longo prazo de doentes com LBCL tratados com axicabtagene ciloleucel

A Kite, uma empresa Gilead, anunciou dados de seguimento a quatro anos do ensaio ZUMA-1 de axicabtagene ciloleucel em doentes adultos com linfoma de grandes células B (LBCL) refratário. Entre os doentes tratados com axicabtagene ciloleucel (n=101) com um seguimento mínimo de quatro anos após uma única administração de axicabtagene ciloleucel (seguimento médio de 51,1 meses), a estimativa Kaplan-Meier da taxa de sobrevivência global (OS) a quatro anos foi de 44%. Estes dados foram apresentados na 62.ª Reunião Anual da Sociedade Americana de Hematologia (ASH 2020) (Abstract #1187).

 

O medicamento foi administrado a 101 doentes com LBCL refratário e o tempo mediano desde a leucaferese até à resposta completa (RC) foi inferior a dois meses. Não houve relatos de neoplasias malignas secundárias relacionadas com axicabtagene ciloleucel.  

“Com quase metade dos doentes ainda vivos após uma única administração de axicabtagene ciloleucel, estamos a transformar a forma como o linfoma de grandes células B recidivante ou refratário pode ser tratado”, refere o Dr. Frederick L. Locke, co-líder do ZUMA-1 e vice-presidente do Departamento de Transplante de Sangue e Medula e Imunoterapia Celular do Moffitt Cancer Center em Tampa, Flórida.

O responsável continua: “Como oncologista, continuo a ver estes doentes na prática clínica, e estes dados globais de sobrevivência confirmam a durabilidade da terapia com células CAR-T numa população de doentes que tinha esgotado todas as opções viáveis de tratamento”.

As análises de sangue realizadas aos 21 doentes tratados com axicabtagene ciloleucel e que mantinham resposta ao tratamento com um seguimento mínimo de três anos, demonstraram que 67% (n=14/21) destes doentes tinham no sangue células detetáveis com o gene CAR e células B policlonais. Além disso, células B normais estavam presentes em 91% dos doentes avaliados. Estes resultados sugerem que a persistência de células CAR-T funcionais não é necessária para a manutenção de respostas duradouras em doentes com LBCL refratários e pode apoiar a segurança a longo termo desta terapêutica.   

“Com estes primeiros dados a quatro anos de um ensaio clínico pivotal com CAR-T em linfoma, continuamos a mostrar o potencial de sobrevivência a longo prazo de Yescarta® no linfoma de grandes células B recidivante/refratário e a alargar as fronteiras do que é possível com este tratamento CAR-T”, afirma o Dr. Ken Takeshita, global head of Clinical Development da Kite.

“E, igualmente importante, somos encorajados por tendências semelhantes de sobrevivência a longo prazo em dados de vida real, com milhares de doentes tratados desde que axicabtagene ciloleucel ficou disponível”, conclui.

Com base em dados apresentados na ASH, a Kite acredita que axicabtagene ciloleucel pode trazer esperança de sobrevivência a doentes com uma série de outras neoplasias hematológicas malignas.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019