Três anti-histamínicos mostram eficácia a inibir infeção pelo novo coronavírus
14/12/2020 13:11:06
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Três anti-histamínicos mostram eficácia a inibir infeção pelo novo coronavírus

Três medicamentos anti-histamínicos mostraram alguma eficácia a inibir a infeção de células pelo novo coronavírus responsável pela COVID-19, segundo os resultados preliminares de um estudo divulgado da Universidade da Florida.

As descobertas sobre os efeitos de um grupo de anti-histamínicos existentes no mercado foram alcançadas ao analisar amostras em laboratório e numa análise detalhada de quase 250 mil registos médicos de pacientes da Califórnia, explica uma nota da Universidade de Saúde da Florida.

Os resultados preliminares revelam que o uso da hidroxizina, da difenidramina e da azelastina está associado a “uma probabilidade reduzida de dar positivo no teste ao SARS-CoV-2, o vírus responsável pela COVID-19”, frisou o imunologista e professor daquela instituição, Prof. Doutor David Ostrov.

“Depois, descobrimos que estes medicamentos específicos mostravam atividade antiviral direta contra o SARS-CoV-2 em laboratório”, acrescentou.

Os dados do estudo, que tem como investigadora principal a Prof.ª Doutora Leah Reznikov, professora da Universidade da Florida, podem apoiar o lançamento de um ensaio clínico aleatório e controlado para determinar se o uso de anti-histamínicos específicos “pode tratar ou mesmo prevenir a COVID-19 em humanos”, diz o comunicado.

“O facto de estes medicamentos inibirem realmente o vírus em laboratório não significa necessariamente que o inibam ativamente em pessoas, mas podem fazê-lo”, disse o Prof Doutor David Ostrov, sublinhando que não foi estabelecida uma “relação de causa e efeito formal”, o que explica a necessidade de investigações adicionais.

O trabalho dos investigadores centrou-se na enzima conversora de angiotensina (ACE2), uma proteína e “porta de entrada” que o vírus usa para invadir as células humanas, e na análise de quase um quarto de milhão de pacientes da Califórnia.

Descobriram que as pessoas com 61 ou mais anos que tinham tomado certos anti-histamínicos tinham menores probabilidades de ter resultado positivo no teste ao novo coronavírus do que aquelas que não tomavam os medicamentos.

Mais tarde, descobriram que a hidroxizina, a difenidramina e a azelastina “revelaram efeitos antivirais diretos e estatisticamente significativos” sobre o SARS-CoV-2.

Segundo a Prof.ª Doutora Leah Reznikov, os dados sugerem que estes três anti-histamínicos podem interromper as interações do vírus com a ACE2 ou unir-se a outra proteína que interfira com a replicação viral.
Os investigadores sublinharam, no entanto, a importância das pessoas não se automedicarem com estes anti-histamínicos como medida de prevenção ou tratamento da COVID-19 e que qualquer tipo de utilização diferente da indicada na bula deve ser consultada junto do médico.

Pode consultar o estudo completo aqui.

Fonte: Lusa


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019