Webinar realça a importância da telesaúde na vida dos doentes com insuficiência cardíaca
04/12/2020 12:51:17
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Webinar realça a importância da telesaúde na vida dos doentes com insuficiência cardíaca

A Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca (AADIC) encerra o ciclo de sessões de esclarecimento online, deste ano, com o webinar “Telesaúde: Importância na vida dos doentes com insuficiência cardíaca” e a divulgação de um folheto sobre “Como escolher, usar e limpar a máscara facial”.

 

“Devido às circunstâncias inerentes à pandemia pelo SARS-CoV-2, a Associação AADIC, desde março, tem promovido várias sessões de esclarecimento. O último webinar deste ano será transmitido no dia 9 de dezembro e tem como objetivo promover uma reflexão médico/doente sobre a telesaúde no acompanhamento da evolução da doença crónica, na gestão das boas práticas, no diagnóstico precoce e no controlo da eficácia das terapêuticas” explica a Dr.ª Maria José Rebocho, membro do conselho técnico-científico da AADIC.

Em simultâneo, será divulgado, no site e por e-mail aos associados, um folheto sobre “Como selecionar, usar e lavar a máscara facial” e ainda com respostas às perguntas mais frequentes dos doentes com insuficiência cardíaca em contexto de pandemia, redigidas pelo conselho técnico-científico da AADIC.

webinar “Telesaúde: Importância na vida dos doentes com insuficiência cardíaca” vai ser transmitido no dia 9 de dezembro, pelas 21h00, na página de Facebook e site da AADIC, com participação gratuita. As intervenções da Dr.ª Aurora Andrade, cardiologista e clínica de insuficiência cardíaca, da Prof. Doutora Dulce Brito, cardiologista e coordenadora do Programa de I.C. e de Telemonitorização do CHULN e da Dr.ª Maria João Lupi, administradora hospitalar do 1.° grau e encarregada da proteção de dados do CHLO, serão moderadas pela Dr.ª Maria José Rebocho. A sessão contará ainda com a participação de dois doentes com insuficiência cardíaca, que atualmente são acompanhados por um programa de telemonitorização.

“Durante a pandemia, os doentes crónicos, nomeadamente com insuficiência cardíaca, foram confrontados com novas terminologias como “telemedicina”, “teleconsulta”, “e-saúde”, por isso parece-nos essencial e urgente promover o esclarecimento destes serviços e evidenciar os benefícios para a saúde pública ”, conclui a Dr.ª Maria José Rebocho.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019