Novos antibióticos podem ajudar a reverter o aparecimento de resistências antimicrobianas
25/11/2020 14:55:06
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Novos antibióticos podem ajudar a reverter o aparecimento de resistências antimicrobianas

“O sucesso futuro da terapêutica antibacteriana oral e tópica pode depender de novas classes com baixo potencial para induzir ou selecionar resistência”, quem o diz é a Dr.ª Cristina Claro, especialista em Dermatologia Pediátrica no Hospital Egas Moniz. A resistência a antibióticos tem vindo a aumentar em todo o mundo e está associada ao uso excessivo e inadequado de antibióticos, ao não cumprimento do tratamento e ao uso de agentes com menor atividade bactericida.

 

Com o surgimento e a transmissão de novas resistências, os doentes acabam por permanecer infetados por mais tempo, aumentando o risco de transmissão do microrganismo resistente. Além disso, a resistência aos antibióticos compromete os tratamentos disponíveis e dificulta o sucesso de outros procedimentos como transplantes, cirurgias e quimioterapia.

Segundo a Dr.ª Cristina Claro, especialista em Dermatologia Pediátrica no CHLO, “ao mesmo tempo que é fundamental educar para o uso responsável e adequado de antibióticos, é também crucial apoiar e contribuir para o desenvolvimento de novos antibióticos orais e tópicos, para garantir o sucesso do tratamento e prevenir a resistência antimicrobiana”.

A resistência antimicrobiana é também responsável pelo aumento dos custos de saúde, já que doenças prolongadas exigem mais gastos com tratamentos, acompanhamento médico, aumento do número de consultas médicas, internamento, etc. Quando o microrganismo se torna resistente à primeira linha de tratamento, também outros costumam ser mais dispendiosos. A resistência aos antibióticos e a elevada carga bacteriana são os fatores que tornam S. aureus um agente patogénico perigoso. Cerca de 90% das infeções adquiridas na comunidade por MRSA (Methicillin Resistant Staphylococcus aureus - Staphilococcus Aureus resistente à meticilina) apresentam-se como infeções de pele e tecidos moles. Os doentes infetados com MRSA apresentam 64% mais probabilidade de ter complicações do que aqueles infetados com as formas não resistentes.

“O sucesso futuro da terapêutica antibacteriana oral e tópica pode depender de novas classes com baixo potencial para induzir ou selecionar resistência”, acrescenta a especialista.

As novas classes farmacológicas de antibióticos tópicos têm menor capacidade para induzir ou selecionar resistências, isto é, alta atividade antimicrobiana bactericida, duplo mecanismo de ação, captação intrabacteriana rápida, concentração acima de MPC9 e não são afetadas por bombas de efluxo.

De acordo com o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC), um em cada três doentes recebe, pelo menos, um antibiótico por dia. Parte desse uso, refere o ECDC, pode ser desnecessário e o seu uso aumenta a resistência aos antimicrobianos.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019