MSD alarga acesso a doravirina com acordos de licenciamento voluntário
19/11/2020 16:44:03
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
MSD alarga acesso a doravirina com acordos de licenciamento voluntário

A MSD celebrou acordos de licenciamento voluntário não exclusivos com dois dos principais fabricantes de genéricos da doravirina (100 mg), o inibidor oral não nucleósido da transcriptase reversa (NNRTI) da empresa indicado para o tratamento da infeção por vírus da imunodeficiência humana (VIH-1) em adultos.

 

Ao abrigo do acordo, a MSD fornecerá licenças para o registo, comercialização e distribuição de doravirina genérica (100 mg) para utilização num comprimido unitário e num comprimido de combinação de dose fixa com lamivudina (3TC, 300 mg) e tenofovir disoproxil fumarato (TDF, 300 mg) em 86 países, incluindo todos os países da África subsariana, outros países de baixo e médio-baixo rendimento (conforme classificados pelo Banco Mundial) e todos os países subdesenvolvidos (conforme definidos pelas Nações Unidas).

A MSD oferece a doravirina como comprimido unitário (doravirina 100 mg), utilizado em combinação com outros antirretrovirais (ARV) e como comprimido de combinação de dose fixa (doravirina 100 mg/ lamivudina 300 mg/tenofovir disoproxil fumarato 300 mg).

“Há mais de 30 anos que a MSD está empenhada em promover o tratamento e os cuidados para as pessoas que vivem com VIH e esse compromisso inclui abordar as disparidades e desigualdades na saúde que desafiam as populações carenciadas”, afirma a Dr.ª Julie L. Gerberding, vice-presidente executiva e diretora de Relações com as Comunidades.

A responsável acrescenta: “Estas licenças voluntárias irão aumentar o acesso a opções adicionais nos países mais atingidos pela epidemia e refletem o compromisso inabalável da MSD para com as pessoas que vivem com o VIH em todo o mundo, bem como a importância contínua da colaboração e parcerias”.

Nos termos dos acordos não exclusivos, as empresas licenciadas podem fabricar e fornecer doravirina genérica (100 mg) e a combinação de dose fixa de doravirina (100 mg)/lamivudina (300 mg)/tenofovir disoproxil fumarato (300 mg) nos 86 países, incluindo todas as nações africanas subsarianas. Quase 80% das pessoas que vivem com o VIH a nível global residem nestes 86 países.

De acordo com a ONUSIDA, estimou-se que 38 milhões de pessoas viviam com o VIH em todo o mundo no final de 2018, sendo que a grande maioria dessas pessoas residia em países de baixo e médio rendimento, mas apenas cerca de 24,5 milhões de pessoas tinham acesso à terapêutica antirretroviral em junho de 2019. Também se registaram mais 1,7 milhões de infeções por VIH por ano.

O comprimido unitário está indicado em combinação com outros agentes antirretrovirais (ARV) para o tratamento da infeção por VIH-1 em doentes adultos sem história prévia de tratamento com ARV ou em substituição do atual regime de ARV em doentes com supressão virológica (ARN do VIH-1 inferior a 50 cópias por ml) a receber um regime de ARV estável sem história de falha do tratamento e sem substituições conhecidas associadas à resistência à doravirina.

O comprimido de combinação de dose fixa está indicado como um regime posológico completo para o tratamento da infeção pelo VIH-1 em doentes adultos sem história prévia de tratamento com ARV ou para substituir o regime atual de ARV em doentes com supressão virológica (ARN do VIH-1 inferior a 50 cópias por ml) a receber um regime de ARV estável sem história de falha do tratamento e sem substituições conhecidas associadas à resistência aos seus componentes individuais.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019