Pulmonale sensibiliza para os sinais do cancro do pulmão e diagnóstico precoce
17/11/2020 15:34:09
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Pulmonale sensibiliza para os sinais do cancro do pulmão e diagnóstico precoce

No mês de sensibilização para o cancro do pulmão, a Associação Portuguesa de Luta Contra o Cancro do Pulmão (Pulmonale), com o apoio da Roche, lança a campanha "Há sinais que entendemos facilmente. E outros que não podemos ignorar". Esta é uma iniciativa que alerta para os principais sinais desta doença oncológica, o quarto cancro com maior incidência no país. Eduardo Madeira, ator e humorista, é o protagonista da campanha.

 

Este é o tipo de cancro que mais mata em Portugal, mas ainda há muito desconhecimento sobre os sintomas que lhe estão associados. Numa linguagem acessível e descontraída, sem qualquer estigma ou carga negativa, a campanha pretende funcionar como um alerta para a necessidade de nos mantermos vigilantes e atentos aos sinais e sintomas do cancro do pulmão.

O diagnóstico precoce pode salvar vidas, uma vez que o cancro do pulmão é, muitas vezes, diagnosticado numa fase tardia. A evolução na investigação clínica nos últimos anos faz com que o diagnóstico atempado de cancro do pulmão não seja sinónimo de sentença de morte, pelo que não se deve desvalorizar os sintomas.

“O cancro do pulmão é uma das doenças oncológicas que mais pessoas afeta todos os anos, em Portugal e no mundo. E, apesar da incidência elevada, existe ainda um desconhecimento significativo, por parte da população, relativamente aos sintomas associados a este tipo de cancro. É por isto que desenvolvemos campanhas de sensibilização como esta porque só conhecendo os sintomas se consegue procurar um médico em tempo útil”, explica a Dr.ª Isabel Magalhães, presidente da Pulmonale.

Eduardo Madeira, o rosto desta campanha, sublinha a relevância de aliar o seu trabalho enquanto ator a uma causa de saúde pública: “Fui fumador e felizmente libertei-me. Mas, como é óbvio, além de ter sido fumador, sei que há um risco sempre presente. O melhor é prevenir e evitarmos o tabaco, bem como promovermos uma vida saudável para cada um de nós”.

 

Vídeo


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019