APFISIO cria grupo de trabalho para travar o impacto da COVID-19 na saúde mental de idosos
28/08/2020 13:53:39
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
APFISIO cria grupo de trabalho para travar o impacto da COVID-19 na saúde mental de idosos

A Associação Portuguesa de Fisioterapeutas (APFISIO) alerta para o impacto a COVID-19 na saúde mental de grupos de risco, nomeadamente nos idosos, e antecipa a criação de um grupo de trabalho com o objetivo de desenvolver linhas de orientação estratégica para a Fisioterapia mental.

Ainda que não existam estudos, a APFISO receia que o confinamento realizado no contexto da atual situação pandémica, possa aumentar a condição de demência numa população tendencialmente envelhecida e em isolamento social.

“É por demais evidente que, nos últimos meses, o efeito da quarentena profilática associada à pandemia COVID-19 originou riscos agravados para a saúde mental. Há estudos publicados sobre este tema e que se baseiam em quarentenas de grupos pequenos, relacionados com os vírus SARS-Cov1, MERS-CoV, HINI e Ébola, por períodos curtos, de 10 a 21 dias de isolamento, mas suficientes para provocar impactos negativos na saúde mental, sobretudo de idosos”, explica a fisioterapeuta Marlene Rosa.

Neste contexto, a associação sentiu que era urgente criar mecanismos para a prestação de cuidados de qualidade em saúde mental, particularmente junto de idosos institucionalizados e de idosos em isolamento nas suas próprias habitações.

Os responsáveis da APFISIO relembram que antes da pandemia, os diagnósticos de demência já se encontravam em crescendo, estimando-se que os números em Portugal estariam nos 1,9% da população, com previsão de duplicação, para 3,82%, até 2050.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019