Eficácia superior da administração a cada dois meses de cabotegravir comparativamente à terapêutica oral diária como PrEP
10/08/2020 14:58:08
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Eficácia superior da administração a cada dois meses de cabotegravir comparativamente à terapêutica oral diária como PrEP

A ViiV Healthcare, empresa global especializada na infeção pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH), detida maioritariamente pela GlaxoSmithKline, com a Pfizer e Shionogi Limited como acionistas, anunciou que os dados apresentados do estudo “HIV Prevention Trials Network (HTPN) 083” demonstrou eficácia superior da formulação investigacional injetável de cabotegravir de longa duração de ação, administrada a cada 2 meses, comparativamente à administração oral diária de emtricitabina 200 mg/tenofovir disoproxil fumarato 300 mg (FTC/TDF) para a prevenção da infeção por VIH.

 

O estudo HPTN 083 é um estudo de fase IIb/III aleatorizado, multicêntrico e com dupla ocultação, desenhado para avaliar a segurança e eficácia de cabotegravir injetável de longa duração de ação na prevenção da infeção por VIH (PrEP) em homens que fazem sexo com homens e mulheres transgénero que fazem sexo com homens.

A fase oculta do estudo foi interrompida em maio de 2020, na sequência de uma revisão planeada do Data and Safety Monitoring Board, que demonstrou que cabotegravir injetável de longa duração de ação era altamente efetivo na prevenção da infeção por VIH na população do estudo.

A análise final confirmou desde então a superioridade de cabotegravir de longa duração de ação, que foi 66% mais efetivo na prevenção da infeção por VIH comparativamente à administração oral de FTC/TDF. Os resultados do estudo foram divulgados durante uma conferência de imprensa no 23rd International AIDS Conference (AIDS 2020), que decorreu em formato virtual.

A Dr.ª Kimberly Smith, head of research & development da ViiV Healthcare, afirmou: “Estes dados são verdadeiramente inovadores, demonstrando que cabotegravir injetável de longa duração de ação, administrado a cada 2 meses, é superior à terapêutica oral diária de FTC/TDF na prevenção da infeção por VIH em homens que fazem sexo com homens e mulheres transgénero que fazem sexo com homens, considerados em risco de contrair infeção por VIH”.

A responsável acrescentou ainda que “este avanço tem potencial para mudar o paradigma relativamente à prevenção da infeção por VIH, disponibilizando uma opção com taxas de efetividade muito elevadas e a comodidade de reduzir a posologia diária para apenas seis vezes por ano”, revelando que “estamos muito contentes com os resultados, não apenas devido à elevada efetividade de cabotegravir, mas também porque este estudo representa adequadamente algumas das populações mais desproporcionalmente impactadas pela infeção por VIH – nos EUA, homens negros que fazem sexo com homens, e globalmente homens jovens que fazem sexo com homens e mulheres transgénero que fazem sexo com homens”.

Na análise final, verificaram-se 52 casos documentados de infeção por VIH no estudo HPTN 083, dos quais 13 foram observados no braço de cabotegravir injetável de longa duração de ação e 39 no braço de terapêutica oral diária com FTC/TDF. Isto traduz-se numa taxa de incidência de infeção por VIH de 0,41% no braço de cabotegravir (intervalo de confiança [IC] de 95%: 0,22%-0,69%) e 1,22% no braço de FTC/TDF (IC 95%: 0,87%-1,67%).

Uma avaliação preliminar demonstrou que a adesão a TDF/FTC oral foi elevada, com base num subgrupo aleatorizado de 372 participantes no braço de FTC/TDF que demonstrou níveis de tenofovir detetáveis (≥0,31 ng/mL) em 87% dos participantes e concentrações de tenofovir consistentes com uma administração diária (≥0,40 ng/mL) em 75% das amostras testadas.

Apesar da elevada adesão à terapêutica oral, cabotegravir injetável de longa duração de ação demonstrou superioridade no endpoint de eficácia primário da incidência de casos de infeção por VIH documentados, e foi 66% mais efetivo do que FTC/TDF na prevenção da infeção por VIH, na população em estudo.

Cabotegravir injetável de longa duração de ação e a terapêutica oral com FTC/TDF foram ambos bem tolerados ao longo do estudo, sendo a maioria dos acontecimentos adversos de gravidade leve a moderada e comparáveis em ambos os braços de tratamento. Reação no local da injeção, febre e hipertensão foram mais frequentes no braço de cabotegravir enquanto que a náusea foi mais frequente no braço de FTC/TDF.

A maioria dos participantes (80%) no braço de cabotegravir reportou dor ou sensibilidade no local da injeção, comparativamente a 31% dos participantes no braço de FTC/TDF que recebeu injeções de placebo. A taxa de descontinuação por reação no local da injeção ou intolerância à injeção foi de 2,2% no braço de cabotegravir, não tendo sido reportadas descontinuações por reação no local de injeção no braço de FTC/TDF.

O estudo HPTN 083 incluiu homens que fazem sexo com homens e mulheres transgénero que fazem sexo com homens, não infetados por VIH, considerados em risco de contrair infeção por VIH. Dois terços dos participantes do estudo tinham idade inferior a 30 anos (idade mediana de 26 anos) e 12% eram mulheres transgénero (n=567). Metade dos participantes nos Estados Unidos identificou-se como afro-americano ou de raça negra (n=844).

O Dr. Myron S. Cohen, co-investigador principal da HPTN e professor de Medicina, Microbiologia e Imunologia e Epidemiologia da Universidade da Carolina do Norte (UNC) em Chapel Hill, sublinhou que “medicamentos que ajudem a prevenir novos casos de infeção por VIH são essenciais para a nossa atual luta para acabar com a epidemia da infeção por VIH. É emocionante constatar que com cabotegravir injetável de longa duração de ação, temos agora evidência clínica convincente de mais uma opção de PrEP efetiva que pode desempenhar um papel crítico na redução da transmissão da infeção por VIH e, consequentemente, salvar vidas” .

O estudo HPTN 083 foi financiado pela U.S. NIAID, organismo do NIH, em conjunto com a ViiV Healthcare e foi conduzido pela HPTN. Os fármacos em estudo foram disponibilizados pela ViiV Healthcare e Gilead Sciences.

Adicionalmente aos resultados do estudo HPTN 083, está em curso outro estudo com o objetivo de avaliar a segurança e eficácia de cabotegravir injetável de longa duração de ação em mulheres sexualmente ativas (HPTN 084). Até à data, mais de três mil mulheres sexualmente ativas de sete países africanos foram incluídas no HPTN 084, que é cofinanciado pelo NIAID, pela ViiV Healthcare e pela Bill & Melinda Gates Foundation.

A ViiV Healthcare pretende submeter os dados do estudo HPTN 083 às autoridades regulamentares. O cabotegravir, isoladamente, ainda não se encontra aprovado para o tratamento ou prevenção da infeção por VIH por nenhuma autoridade regulamentar no mundo.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019