Estenose aórtica tem disponível uma técnica que reduz o nível invasivo e complexidade do tratamento
24/07/2020 16:02:43
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Estenose aórtica tem disponível uma técnica que reduz o nível invasivo e complexidade do tratamento

No âmbito do Dia Mundial dos Avós, que se assinala a dia 26 de julho, o coordenador do projeto Valve for Life, da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC), lembra que a técnica minimamente invasiva de tratamento para a estenose aórtica grave, considerada uma doença de “avós”, é, em 2020, uma alternativa para todos os doentes.

Estudos recentes disponibilizam o procedimento minimamente invasivo a toda a população de doentes portadora de estenose aórtica grave e sintomática, especialmente nos doentes de menor risco, muitos deles com apenas 70 anos. Além de ser a única esperança de vida para os doentes cardíacos inoperáveis, esta opção é também a única solução médica capaz de lhes garantir uma boa qualidade de vida.

Dr. Rui Campante Teles, coordenador do projeto, refere que “é importante que os doentes tenham conhecimento deste processo relevante, visto que muitos médicos não estão a dar conhecimento desta opção minimamente invasiva, que tem muito mais vantagens para o doente e em termos de custos acaba por equiparar-se à cirurgia tradicional, que implica custos de internamento, especialmente quando os doentes precisam de transfusões de sangue”.

O responsável pelo projeto e alerta ainda que “a previsão é que as necessidades nacionais cresçam até cinco vezes, pois esta técnica constituirá a opção preferida para os cerca de 25 mil portugueses que necessitam de ser tratados”.

Esta técnica pioneira de implante percutâneo da válvula aórtica (TAVI), existente desde há mais de uma década, estava reservada a doentes com estenose aórtica grave com risco cirúrgico aumentado, usualmente com mais de 80 anos, o que corresponde a cerca de cinco mil portugueses.

Por sua vez, um estudo com válvula autoexpansível, que avaliou cerca de 1.400 doentes com uma idade média de 74 anos e baixo risco para cirurgia, demonstrou resultados sobreponíveis no tratamento minimamente invasivo por cateter comparado com a cirurgia convencional, que tem vindo até agora a ser o método de tratamento recomendado.

“O tratamento da estenose aórtica por técnicas de cardiologia de intervenção é um dos temas mais atuais e importantes da nossa área, o que torna a sua discussão multidisciplinar uma mais valia. Assim, os médicos assistentes têm pela sua frente o desafio de dar resposta a esta nova era do tratamento valvular para os seus doentes e devem encaminhar os doentes para cardiologistas que integrem equipas multidisciplinares treinadas, compostas por vários especialistas como cirurgiões, anestesistas e geriatras”, reforça o Dr. Rui Campante Teles.

Este desenvolvimento permite que os doentes, maioritariamente idosos, não sejam sujeitos a uma cirurgia de peito aberto onde poderiam correr mais riscos e ter um pós-operatório mais longo, que implica a passagem pelos cuidados intensivos. Um procedimento que, por vezes, não era considerado opção para os doentes devido ao seu carácter invasivo, complexidade e potenciais complicações.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019