OMS destaca boas práticas da APDP no tratamento da diabetes durante a pandemia
22/07/2020 15:21:59
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
OMS destaca boas práticas da APDP no tratamento da diabetes durante a pandemia

A Organização Mundial de Saúde (OMS) distinguiu os cuidados adotados pela Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP), durante o período de pandemia da COVID-19, como um exemplo na Europa. A associação alerta que este desafio está longe de terminar e é preciso uma estratégia global com orientações claras e reforço de serviços de saúde.

Reorganização dos compromissos agendados para teleconsulta, acesso remoto a todos os médicos e enfermeiros a equipamentos eletrónicos e outros recursos para trabalhar em casa, contacto diário com doentes para análise das preferências da teleconsulta, utilização de dispositivos móveis para partilha de informação nos casos em que os doentes não conseguiam ter acesso ou conhecimento via e-mail e criação da linha de apoio diabetes foram algumas das medidas que a APDP implementou durante o período da COVID-19 e que agora, com as devidas precauções, voltam ao novo normal.

“Este reconhecimento internacional destaca o papel e a colaboração da sociedade civil para enfrentar os desafios imprevistos na saúde. É a prova de que deve existir uma responsabilidade partilhada na proteção e assistência às populações mais vulneráveis”, afirma o Dr. José Manuel Boavida, presidente da APDP.

O responsável da APDP destaca que “os profissionais que fazem parte da APDP reforçaram o seu compromisso durante este período e mantiveram sempre presente que a diabetes não podia passar para segundo plano. E, apesar das barreiras que enfrentaram na implementação de novos modelos de ação, ajustaram-se às circunstâncias pelas exigências de uma doença tão complexa”.

A associação deixa ainda o alerta de que “o desafio de adaptar a prestação de cuidados com a pandemia da COVID-19 está longe de terminar”, existindo “uma preocupação com os efeitos da restrição de movimento e consultas em atraso, especialmente com as complicações não diagnosticadas”, salienta o Dr. João Filipe Raposo, diretor clínico da APDP.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019