Médicos criam Sociedade Portuguesa de Medicina de Urgência e Emergência
28/05/2020 16:50:56
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Médicos criam Sociedade Portuguesa de Medicina de Urgência e Emergência

Cerca de duas dezenas de médicos criaram a Sociedade Portuguesa de Medicina de Urgência e Emergência (SPMUE) que tem como “objetivo primordial” a criação desta especialidade em Portugal. O anunciou foi feito no passado dia 26 de maio, por um dos seus fundadores.

 

“Em Portugal não existe a especialidade de Medicina de Urgência e Emergência, o que existe é uma proposta que já foi entregue no ano passado à Ordem dos Médicos para que seja criada e que nasceu no seio do Colégio de Emergência Médica (CCEM) da Ordem”, disse o Dr. Vítor Almeida, presidente do CCEM.

“Na Europa, apenas cincos países, nos quais se encontra Portugal, não têm esta especialidade, que inclui a urgência hospitalar, emergência pré-hospitalar, intra-hospitalar e inter-hospitalar, assim como a medicina de catástrofe”, explicou Vítor Almeida, anestesista com a "Competência em Emergência Médica" e especialidade em Medicina Geral e Familiar.

“A sociedade agora criada segue essencialmente esse objetivo primordial que é promover a criação da especialidade, além de uma série de outros objetivos”, como a formação, cooperação com peritos e organizações congéneres nacionais ou estrangeiras, divulgação de documentos científicos ou o estímulo à investigação.

Pretende também promover a representação socioprofissional dos médicos que exercem Medicina de Urgência e Emergência em Portugal: “Temos que valorizar quem já está no terreiro e temos que criar condições para na futura geração criarmos corpos clínicos devidamente formados e especializados nesta área”, defendeu o responsável.

O anúncio da criação da sociedade científica aconteceu na véspera do Dia Internacional da Medicina de Emergência e Urgência, celebrado no dia 27 de maio, e numa altura em que o mundo combate a pandemia de COVID-19.

Para os fundadores da sociedade, o Serviço Nacional de Saúde (SNS), no seu global, “demonstrou claramente capacidade para responder aos doentes COVID-19”.

“Trabalhou muito bem, demonstrou-se um saber e uma capacidade de organização que nos deve orgulhar, não obstante é preciso perceber que os doentes não COVID-19 também devem ou não podem ser esquecidos numa pandemia como esta”, salientou o Dr. Vítor Almeida.

Existe ainda o apelo público da Sociedade Europeia de Medicina de Urgência e Emergência, que defende “uma resposta mais homogénea a nível europeu” e a criação de “mecanismos não só de Proteção Civil, mas também de formação médica e de homogeneização da capacidade médica de cada país para responder, por um exemplo, a um contexto deste que é transnacional, transfronteiriço e que envolve todos os países europeus”.

Segundo o Dr. Vítor Almeida, o que falta em Portugal é que as equipas fixas que já estão no terreno tenham “uma especialidade nuclear de forma uniforme”.

“O que sabemos é que grande parte dessas equipas fixas em Portugal inclui no seu corpo clínico médicos indiferenciados, isto é, médicos que não percorreram um caminho de uma especialização, por exemplo, como Medicina Interna, Cirurgia, Anestesiologia ou Pediatria”, declarou.

O especialista explicou que se pretende promover essa especialidade por duas vias, uma das quais criando o currículo português que segue o europeu, baseado em cinco anos de formação contínua. Aos médicos que hoje já exercem mediante uma validação curricular e uma especialidade já concluída deve ser equacionada a possibilidade de uma dupla titulação mediante apresentação de um currículo validado.

A SPMUE foi fundada por duas de dezenas de médicos com experiência em Medicina de urgência e emergência, incluindo em grande parte o pré-hospitalar.

“Muitos deles já foram dirigentes ou pertenceram ao Colégio de Emergência Médica da Ordem dos Médicos e grande parte foram diretores de serviço ou de equipas fixas de urgência que lideraram os processos, nomeadamente no âmbito da COVID-19, de Vila Real até Portimão”, concluiu.

Fonte: Lusa


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019