SPC recomenda uso generalizado de máscaras como proteção para doentes de risco
23/04/2020 16:17:49
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
SPC recomenda uso generalizado de máscaras como proteção para doentes de risco

A Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC) anunciou hoje, dia 23 de abril, defender o uso generalizado de máscaras pela população como forma de proteger os doentes de risco, onde se incluem os doentes cardiovasculares.

 

Para a SPC, o uso generalizado das máscaras constitui uma medida cívica que protege todos, sobretudo os doentes de risco, além de que pode permitir o reinício da convivência social e da atividade económica de forma mais segura e solidária.

“É verdade que a máscara protege pouco quem a usa e, sobretudo se for mal utilizada, pode dar uma falsa sensação de segurança. Mas também é verdade que se pode ser portador e disseminar o vírus sem se sentir doente e que, por conseguinte, o uso de máscara protege os outros. A nossa principal proteção é a máscara do outro”, reforça o Prof. Doutor Victor Gil, presidente da SPC.

Ainda que não existam estudos de grande escala para fundamentar o uso universal de máscaras em contexto de epidemias por vírus de transmissão por gotícula, como é o caso do vírus influenza, responsável pela gripe, a Sociedade cita diversos projetos cujas “experiências populacionais reforçam a justificação empírica para o seu uso”.

Se, por um lado, o uso de máscaras diminui a exposição de grupos mais vulneráveis e de maior risco, para os quais a sua utilização deve ser recomendada, por outro, continua a entidade, diminuem também o risco de aerossolização de gotículas infetadas por indivíduos doentes ou portadores assintomáticos, mitigando o risco de transmissão.

“Neste último grupo incluem-se muitos dos doentes mais jovens e saudáveis, ativos e com maior mobilidade, para os quais não se justificaria o uso generalizado de máscaras para sua proteção individual, mas que poderá contribuir para o reforço de proteção dos grupos de risco, nos quais os doentes com patologia cardiovascular se inserem”, frisa.

Nesse sentido, a SPC considera que “é por esta lógica de proteção individual e, de forma mais pertinente, de prevenção de transmissão aos grupos mais vulneráveis, que se justifica o uso universal de máscaras em locais públicos fechados ou em que não se possa garantir o isolamento social desejável, de acordo com o risco da atividade praticada”, acrescendo que se trata de uma medida cívica que permitirá o regresso à convivência social e atividade económica de forma “mais segura e solidária”.

A entidade relembra ainda que os “Centers for Disease Control dos Estados Unidos, inicialmente reticentes, passaram a recomendar, a partir de 4 de abril, o uso de máscaras comunitárias pela população geral”.

Para aprofundar ou acompanhar o tema da COVID-19, visite o site da News Farma dedicado em exclusivo ao tema e destinado a profissionais de saúde: https://covid19.newsfarma.pt/


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019