Nenhum medicamento provou eficácia no tratamento da COVID-19, revela Infarmed
01/04/2020 14:50:13
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Nenhum medicamento provou eficácia no tratamento da COVID-19, revela Infarmed

A Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) assegurou, na terça-feira, dia 31 de março, estar a acompanhar todos os esforços nacionais e internacionais para o desenvolvimento de potenciais tratamentos e vacinas para a COVID-19, mas insistiu que nenhum fármaco provou ainda a sua eficácia no combate à doença.

 

“À data, existem várias iniciativas que estão a decorrer, relativas a potenciais tratamentos do covid-19. Contudo, à presente data e mediante os dados preliminares, nenhum medicamento se demonstrou ainda eficaz”, pode ler-se no comunicado divulgado pela autoridade do medicamento.

Sublinhando a importância da “sinergia de esforços, cooperação internacional e medidas de suporte para as empresas”, o Infarmed referiu que está “em articulação” permanente com a Agência Europeia do Medicamento (EMA).

O organismo europeu, por sua vez, revelou ter colocado o combate à pandemia provocada pelo novo coronavírus "no topo das prioridades", além de estar atualmente a acompanhar diversas empresas no “desenvolvimento de cerca de 40 opções terapêuticas”.

Em relação às possíveis terapêuticas sobre as quais já decorrem ensaios clínicos, o Infarmed destacou as seguintes: remdesivir (medicamento experimental utilizado na infeção pelo vírus Ébola), lopinavir/ritonavir (associação autorizada para o tratamento da infeção pelo vírus da imunodeficiência humana - VIH), cloroquina e hidroxicloroquina (autorizados a nível nacional como tratamentos para a malária e algumas doenças autoimunes), interferões sistémicos, nomeadamente o interferão beta (autorizado para a esclerose múltipla); e anticorpos monoclonais.

Por outro lado, a autoridade nacional do medicamento e produtos de saúde reconheceu que "estão já a decorrer ensaios clínicos de fase I para duas vacinas", embora tenha admitido ser “complexo” uma aprovação rápida para fazer face à atual pandemia.

“Com base na experiência do desenvolvimento de outras vacinas, considera-se que todo o processo demorará pelo menos um ano até que uma vacina para covid-19 possa estar preparada para a aprovação e disponível em quantidades suficientes para garantir uma utilização em larga escala”, conclui o Infarmed.

Para aprofundar ou acompanhar o tema da COVID-19, visite o site da News Farma dedicado em exclusivo ao tema e destinado a profissionais de saúde: covid19.newsfarma.pt.

Fonte: Lusa


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019