Dia Mundial da Audição: “É preciso ter atenção à saúde auditiva”
26/02/2020 15:41:26
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Dia Mundial da Audição: “É preciso ter atenção à saúde auditiva”

O Dia Mundial da Audição, que se assinala no próximo dia 3 de março, será, este ano, celebrado pela Associação Portuguesa de Otoneurologia (APO) no auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian, num encontro que irá promover a discussão aberta sobre a área entre especialistas, doentes e público em geral. Com a moderação de Júlio Isidro, e num painel que conta com o bastonário da Ordem dos Médicos e com especialistas em Otorrinolaringologia e audiologistas, o evento decorre a partir das 17h00 e contará com os concertos de Cuca Roseta e Fernando Tordo. A News Farma falou com a Dr.ª Sandra Costa e com o Prof. Doutor Nuno Trigueiros, membros da organização do evento, que explicam qual a pertinência e importância do mesmo.

 

“Num evento que associa a conversa à música, num espaço privilegiado da cidade de Lisboa, pretende-se chamar a atenção do papel desempenhado pela audição na integração do indivíduo na sociedade”. É este o objetivo que, segundo a Dr.ª Sandra Costa, incentivou a organização do evento que assinala o Dia Mundial da Audição.

Segundo o Prof. Doutor Nuno Trigueiros, este será um encontro “dirigido ao público em geral, uma vez que a ideia é sensibilizar as pessoas para a importância da audição, que, infelizmente, é um sentido ainda muito desvalorizado pela população”.

A APO, responsável pela organização do evento com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, “pretende colocar a problemática da audição na ordem do dia”, alude a Dr.ª Sandra Costa, e “realçar a necessidade de uma audição socialmente útil na vida pessoal e profissional na faixa média da vida”.

Prevê-se que, em 2050, 900 milhões de pessoas vão sofrer de perda auditiva. A prevenção da perda e reabilitação auditiva são, aos olhos dos especialistas, basilares para combater essas expectativas, tal como os rastreios auditivos neonatais e nas escolas, que permitam a deteção precoce e as soluções médicas e cirúrgicas atempadas. “Sensibilizar para o assunto” é, na perspetiva do Prof. Doutor Nuno Trigueiros, o primeiro passo para a luta contra o número estimado de novos casos de surdez. “Nos países desenvolvidos, sabe-se que as causas de surdez são genéticas ou adquiridas. O nosso papel é sensibilizar para as causas adquiridas por abuso da audição e excesso de ruído”, salienta.

“Na idade média e nos seniores, a tomada de consciência de que a perda auditiva é um sinal e sintoma de diversas entidades” é outro modo de prevenir o aumento de problemas auditivos, segundo a Dr.ª Sandra Costa.

Sabe-se ainda que, nos jovens entre os 12 e os 35 anos, 1.1 mil milhões estão em risco de perda auditiva, devido à exposição ao ruído em situações de lazer. Nesse sentido, “chamar a atenção para evitar a exposição a música alta, quer em campo livre quer com auscultadores, é uma das batalhas a travar com os mais jovens”, refere a Dr.ª Sandra Costa, realçando a importância da consciencialização, "que deve começar desde cedo nas escolas”.

O Prof. Doutor Nuno Trigueiros complementa: “É nos jovens que é necessária a prevenção. Nos tempos em que vivemos, e com todas as ofertas de lazer, as pessoas estão expostas permanentemente a níveis de ruído nocivos à saúde”, ressalva.

Ambos os especialistas convidam todos os profissionais de saúde com interesse na área, bem como a população geral, a marcar presença neste evento, que contará não só com uma parte de discussão e debate entre especialistas, mas também com dois momentos musicais protagonizados por Cuca Roseta e Fernando Tordo.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019