Upadacitinib cumpre objetivos em estudo de Fase 3 na artrite psoriática
24/02/2020 15:56:38
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Upadacitinib cumpre objetivos em estudo de Fase 3 na artrite psoriática

A AbbVie anunciou novos dados do estudo SELECT-PsA 1, um estudo de Fase 3 na artrite psoriática. Neste estudo, ambas as doses de upadacitinib (15 mg e 30 mg, toma diária única) alcançaram o objetivo primário de resposta ACR20 à semana 12, comparativamente com placebo, em doentes adultos com artrite psoriática ativa que tiveram uma resposta inadequada ou são intolerantes a um ou mais fármacos antirreumáticos modificadores da doença (DMARD) não biológicos.

 

Comparativamente com placebo, upadacitinib também demonstrou melhorias significativas nos sinais e sintomas da doença em diversos objetivos secundários. Upadacitinib, um inibidor de JAK seletivo e reversível, descoberto e desenvolvido pela AbbVie, está a ser estudado como terapêutica de toma diária única na artrite psoriática e em várias doenças inflamatórias imunomediadas. Upadacitinib não está aprovado na artrite psoriática e a sua segurança e eficácia não foram ainda estabelecidas pelas autoridades regulamentares.

“Os doentes com artrite psoriática sofrem muitas vezes de dor articular, rigidez e fadiga, o que afeta a sua capacidade de trabalhar e de ter uma vida fisicamente ativa”, afirmou o Dr. Michael Severino, vice-presidente executivo da AbbVie.

“Os resultados deste estudo de Fase 3 vêm sustentar ainda mais o potencial de upadacitinib para ajudar estes doentes. Estamos entusiasmados por poder partilhar estes dados com as autoridades regulamentares de todo o mundo, de forma a suportar o nosso pedido de alteração ao RCM de upadacitinib para a extensão das indicações para doentes com artrite psoriática ativa”, acrescenta.

Os resultados mostram que, à semana 12, 71 por cento e 79% dos doentes tratados com 15 mg e 30 mg de upadacitinib, respetivamente, atingiram ACR20, em comparação com 36% dos doentes tratados com placebo (p<0,0001). Em termos de resposta ACR20 à semana 12, comparativamente com adalimumab, ambas as doses de upadacitinib atingiram os critérios de não inferioridade, e apenas a dose de 30 mg demonstrou superioridade. Cerca de 38% e 52% dos doentes tratados com 15 mg e 30 mg de upadacitinib, respetivamente, atingiram ACR50 à semana 12, em comparação com 13% dos doentes tratados com placebo (p nominal <0,0001). Além disso, 16% e 25% dos doentes tratados com 15 mg e 30 mg de upadacitinib, respetivamente, alcançaram ACR70 à semana 12, em comparação com 2% no grupo placebo (p nominal <0,0001).

Os doentes tratados com upadacitinib apresentaram igualmente melhoria da função física à semana 12, avaliada pelo Questionário de Avaliação de Saúde - Índice de Incapacidade (HAQ-DI). Os doentes nos grupos de upadacitinib 15 mg e 30 mg registaram uma variação de -0,42 e -0,47, respetivamente, em relação aos valores iniciais no índice HAQ-DI, em comparação com -0,14 no grupo placebo (p<0,0001).

Upadacitinib também demonstrou melhoria nos sintomas cutâneos à semana 16, com 63% e 62% dos doentes tratados com 15 mg e 30 mg de upadacitinib, respetivamente, a registarem uma melhoria de 75% no Psoriasis Area and Severity Index (PASI 75), em comparação com 21% dos doentes tratados com placebo (p<0,0001). Cerca de 37/45% dos doentes tratados com upadacitinib 15 mg e 30 mg, respetivamente, alcançaram atividade mínima da doença (MDA) à semana 24, em comparação com 12% dos doentes no grupo placebo (p<0,0001).

“Os resultados do estudo SELECT-PsA 1 mostraram que ambas as doses de upadacitinib demostraram resultados de eficácia estatisticamente superiores ao placebo nos sintomas articulares e cutâneos, bem como na inibição de progressão radiográfica”, afirmou o Prof. Doutor Iain McInnes, da University of Glasgow Institute of Infection, Immunity & Inflammation.

“Estes dados são encorajadores e vêm juntar-se ao conjunto cada vez mais robusto de evidências que sustentam o potencial de upadacitinib para melhorar os sintomas de doentes com artrite psoriática”, adianta o especialista.

Após 24 semanas de tratamento, upadacitinib 15 mg e 30 mg inibiu significativamente a progressão radiográfica, avaliada pela variação em relação aos valores iniciais no índice de Sharp/van der Heijde PsA modificado, comparativamente com placebo (p<0,01). A inibição de dano articular é importante para os doentes com artrite psoriática, uma vez que pode ter impacto na sua função física e nível de incapacidade.

O perfil de segurança de upadacitinib foi consistente com o observado em estudos anteriores, sem deteção de novos sinais de segurança. Até à semana 24, ocorreram infeções graves em 1,2% e 2,6% dos doentes nos grupos de upadacitinib 15/30 mg, respetivamente, em comparação com 0,9% no grupo placebo e 0,7% no grupo de adalimumab.
Foi notificado um caso de acontecimento tromboembólico venoso (TEV) adjudicado no grupo de upadacitinib 30 mg (0,2%), nenhum caso no grupo de upadacitinib 15 mg, dois casos no grupo de adalimumab (0,5%) e um caso no grupo placebo (0,2%). Não foram notificados acontecimentos adversos cardiovasculares major (MACE) em nenhum dos grupos de upadacitinib. Foi notificado um MACE no grupo placebo e dois MACE no grupo de adalimumab. Não ocorreram óbitos em nenhum dos grupos de upadacitinib, ocorreu um óbito no grupo placebo (0,2%) e nenhum óbito no grupo de adalimumab.

A artrite psoriática é uma doença inflamatória sistémica heterogénea com manifestações características nas articulações e na pele. Afeta mais de 50 milhões de pessoas em todo o mundo. Na artrite psoriática, o sistema imunitário origina o aparecimento de inflamação, que pode originar dor, fadiga e rigidez articular.

Os resultados do estudo SELECT-PsA 1 serão apresentados num encontro médico futuro e disponibilizados numa publicação peer-reviewed.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019