Primeiras Bolsas António Coutinho entregues hoje
19/02/2020 15:37:27
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Primeiras Bolsas António Coutinho entregues hoje

As primeiras Bolsas António Coutinho serão entregues hoje, dia 19 de fevereiro, no Auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian. A iniciativa, resultado de uma parceria entre o Instituto Gulbenkian Ciência (IGC), a Fundação Merck e a Câmara Municipal de Oeiras (CMO), tem como objetivo a promoção do intercâmbio de investigadores, potenciando soluções inovadoras para a humanidade.

 

Destinadas a cidadãos de Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), as Bolsas António Coutinho constituem uma oportunidade para estudantes, professores e investigadores doutorados nas áreas das Ciências da Vida, Ciências da Saúde ou Ciências Exatas para expandirem e promoverem as suas carreiras científicas.

Os primeiros bolseiros distinguidos são a Dr.ª Adija Fernando Wilssone e o Prof. Doutor António Pinto Almeida, que vão desenvolver, durante 10 meses, os seus projetos de investigação em instituições científicas em Portugal. As bolsas serão entregues pelo próprio Prof. Doutor António Coutinho, antigo diretor do IGC e impulsionador da ciência a nível nacional, que promoveu a projeção internacional do conhecimento científico.

A Dr.ª Adija Fernando Wilssone é de origem moçambicana, estando a desenvolver o seu trabalho de mestrado em Biologia da Conservação, no Parque Nacional da Gorongosa, em Moçambique. O projeto combina a conservação da biodiversidade com a utilização sustentável de recursos naturais locais.

Para a investigadora, a Bolsa António Coutinho permitirá o desenvolvimento de um projeto no laboratório da Prof.ª Doutora Cristina Máguas Hansson, do Centro de Investigação em Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais da Universidade de Lisboa, admitindo uma valorização do mel local e a identificação das zonas do parque que devem ser protegidas.

O segundo vencedor é o Prof. Doutor António Pinto Almeida, cabo-verdiano e professor auxiliar da Unidade de Ciências Biológicas do Instituto de Engenharia e Ciências do Mar da Universidade Técnica do Atlântico, na ilha de São Vicente, em Cabo Verde. O investigador mostra especial interesse pela promoção da “economia azul”, tendo vindo a desenvolver e aprofundar competências na Biologia de Mares, envolvendo-se em vários projetos de colaboração internacionais.

No seu caso, a Bolsa António Coutinho permitirá o desenvolvimento do seu projeto com a Prof.ª Doutora Susana Gaudêncio, da Unidade de Ciências Biomoleculares Aplicadas da Rede de Química e Tecnologia (Ucibio-Requimte) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade NOVA de Lisboa (FCT-UNL).

No decorrer da cerimónia, será revelada a abertura de candidaturas para a 2.ª edição do programa, garantindo a promoção e diversidade do conhecimento científico. Saiba mais nesta ligação.

Como homenagem ao Prof. Doutor António Coutinho, as Bolsas António Coutinho surgem com o objetivo de promover e aumentar a diversidade na comunidade científica, criando um terreno mais fértil para o aparecimento de novas soluções para os problemas da humanidade. Os estudantes ou académicos africanos, bem como estudantes afro-descendentes, residentes em Portugal, estão habilitados a receber uma bolsa para fazer investigação em Portugal durante 10 a 12 meses.

 

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019