Hospital de Braga recebe sessão sobre tratamento de lesões coronárias calcificadas
18/02/2020 15:29:11
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Hospital de Braga recebe sessão sobre tratamento de lesões coronárias calcificadas

A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) organiza a iniciativa Day at the Cath Lab (D@CL), no próximo dia 6 de março, no Hospital de Braga. Subordinada ao tema “Lesões coronárias calcificadas”, a formação visa promover a aquisição e partilha de conhecimentos entre os profissionais com interesse em lesões coronárias calcificadas, num ambiente informal, prático e de proximidade.

 

“As lesões coronárias severamente calcificadas constituem um dos principais desafios da Cardiologia de Intervenção, associando-se a maior risco de complicações imediatas, falhas mecânicas relacionadas com a implantação de stents e, consequentemente, piores resultados clínicos. Para garantir um bom resultado, a intervenção percutânea nas lesões calcificadas mais complexas exige frequentemente a utilização de diferentes modalidades de diagnóstico e terapêutica, o que torna este tema um excelente alvo para discussão de estratégias, partilha de experiências e interação entre os participantes da iniciativa D@CL”, sublinha o Dr. Carlos Braga, cardiologista de intervenção e responsável pela organização do evento.

De acordo com o especialista, a Cardiologia de Intervenção dispõe de um conjunto de técnicas e dispositivos que permitem a preparação adequada deste tipo de lesões, obtendo melhores resultados angiográficos e clínicos: “Atualmente, a intervenção coronária percutânea em lesões calcificadas complexas pode envolver a utilização de imagem intracoronária para melhor caracterização e localização do cálcio, balões especializados, dispositivos de aterectomia e técnicas para melhorar o suporte local”, esclarece.

No caso específico do Hospital de Braga, o responsável salienta o “grande volume de casos de doença coronária aguda e crónica”, acumulando experiência em diagnósticos complexos. Em 2015, a instituição deu início a “procedimentos com recurso a ateretomia rotacional, que nos casos de maior complexidade e severidade é a técnica de eleição”, conclui o Dr. Carlos Braga.

Aceda ao programa da iniciativa nesta ligação.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019