Abordagem conjunta de doenças do coração e AVC já é possível em consulta inovadora
28/10/2019 16:33:53
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Abordagem conjunta de doenças do coração e AVC já é possível em consulta inovadora

Coração e cérebro: separados pela anatomia, unidos quando se trata do acidente vascular cerebral (AVC), explica o Dr. Vítor Oliveira, responsável pela Consulta de Neurologia para Doenças Vasculares Cerebrais do Heart Center, no Hospital Cruz Vermelha. “Muitas doenças do coração podem provocar acidentes vasculares cerebrais. Daí ser importante uma abordagem conjunta, pois não se pode separar a patologia vascular cerebral da patologia cardiovascular.” Uma relação que o Heart Center privilegia, o que torna esta consulta inovadora no País. “Não existe entre nós outra unidade que junte estas duas áreas que se interligam: o coração e o cérebro”, confirma o especialista.

No mesmo espaço, faz-se uma abordagem conjunta dos problemas comuns aos dois órgãos. “Dispondo dos mais modernos meios de diagnóstico onde se incluem TAC, Ressonância Magnética, entre outros, permite uma grande eficácia nas atitudes quer diagnósticas quer terapêuticas e, portanto, atuando na melhoria da qualidade de vida das pessoas”, afirma o médico neurologista.

Quer sejam pessoas já com situações definidas, quer ainda numa perspetiva de rastreio e identificação atempada de situações de risco, “o centro está aberto para todos: os que já tenham sofrido um AVC de qualquer tipo ou apenas um evento suspeito de doença vascular cerebral, isto na perspetiva de identificação e tratamento adequado evitando o pior.

Ou seja, refere o Dr. Vítor Oliveira, “beneficiarão as pessoas com situações associadas a maior probabilidade de ter um AVC, com os chamados ‘fatores de risco’, entre os quais a hipertensão arterial, diabetes, obesidade, fumadores ou ex-fumadores e pessoas mais idosas e com doenças cardíacas”. O grande objetivo é, reforça, “prevenir a ocorrência de AVC, sobretudo nas pessoas em maior risco, mas também avaliar e acompanhar os doentes que já tiveram um AVC prevenindo a ocorrência de um novo evento. Devemos ter sempre presente que a atitude mais eficaz é a prevenir.”

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019