Plataforma SIP Portugal pretende reduzir impacto social da dor
02/10/2019 15:41:30
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Plataforma SIP Portugal pretende reduzir impacto social da dor

A plataforma SIP Portugal vai ser oficialmente apresentada, no próximo dia 18 de outubro, pelas 17h00, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. A iniciativa assinala também as comemorações do Dia Nacional de Luta Contra a Dor.

“A nossa prioridade, para este primeiro ano de atividade, é identificar e combater os principais problemas relacionados com as pessoas com dor crónica, em contexto laboral/profissional, de forma a permitir o retorno e a manutenção da atividade laboral. Estamos empenhados no desenvolvimento de um conjunto de medidas de atuação que possam ser implementadas e que resultem numa melhoria efetiva da qualidade de vida das pessoas”, explica a Dr.ª Ana Pedro, presidente da Associação Portuguesa Para o Estudo da Dor (APED). 

Em Portugal a prevalência da dor crónica permanece elevada, estimando-se que afete cerca de 36,7% da população, com um impacto significativamente negativo na vida não só do doente e família, mas também na sociedade em geral. A reforma antecipada, o absentismo laboral, as mudanças de emprego e as pensões por incapacidade são consequências frequentes da dor crónica e da incapacidade associada.

Na iniciativa, moderada por Isabel Stilwell, serão apresentados testemunhos de doentes relacionados com os obstáculos e desafios da empregabilidade, assim como boas práticas das empresas portuguesas.

“Pretende-se fomentar a partilha de experiências, promover o diálogo, com os participantes, para a necessidade do desenvolvimento de medidas de atuação urgentes que possam combater os principais problemas relacionados com as pessoas com dor crónica, em contexto laboral/profissional e debater soluções práticas que possam ser implementadas, no imediato, para os problemas identificados”, conclui a Dr.ª Ana Pedro. 

A SIP Portugal é uma plataforma nacional com a coordenação científica da Associação Portuguesa para o Estudo da Dor e o apoio da empresa Grünenthal, constituída por representantes de organizações, sociedades científicas e associações de doentes que, em conjunto, partilham a mesma missão: reduzir o impacto social da dor crónica nos portugueses.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019