Presença portuguesa na EASD 2019: "orgulhosos quando vemos o fruto da investigação nacional"
16/09/2019 15:34:27
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Presença portuguesa na EASD 2019: "orgulhosos quando vemos o fruto da investigação nacional"

“Os investigadores portugueses são frequentemente aprovados para debater a área da Diabetologia, portanto, ficamos satisfeitos e orgulhosos quando vemos o fruto do trabalho da investigação nacional presente nestes congressos europeus”. As palavras são do Dr. Rui Duarte, presidente da Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD), sobre a representação portuguesa no EASD 2019. Da mesma opinião são também o Prof. Doutor Davide Carvalho, presidente da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo (SPEDM) e o Dr. Estevão Pape, presidente do Núcleo de Estudos de Diabetes Mellitus (NEDM) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI). Em entrevista exclusiva, os representantes das sociedades científicas fazem uma antevisão do congresso, que começa hoje, dia 16, na cidade de Barcelona.

 

Os três representantes assumem uma posição similar no que toca aos possíveis momentos altos da reunião, apontando a divulgação dos resultados de vários estudos como um desses momentos. O Prof. Doutor Davide Carvalho dá assim o exemplo da “terapêutica combinada”, que “é bastante importante em termos de prevenção da progressão da doença diabética”. Por outro lado, o Dr. Estevão Pape destaca “o risco cardiovascular na diabetes” e como se “deve insistir na farmacologia para proteger estes doentes”. Em alternativa, o Dr. Rui Duarte aponta “os avanços tecnológicos relativamente à diabetes tipo 1”, referindo um “melhor controlo da doença, através da administração de insulina”.

Quando questionados sobre os principais desafios da área, o Dr. Rui Duarte refere que o “caminho deve seguir-se pela possibilidade de cura” da diabetes tipo 1, “melhorando e aperfeiçoando o modo de administrar o tratamento da insulina”. Na visão do Dr. Estevão Pape este tipo de reuniões é essencial para se conseguir “estancar, de alguma forma, os eventos cardiovasculares e nefrológicos” que este doente encara diariamente. Já o Prof. Doutor Davide Carvalho considera que a partilha de experiências entre o “elevadíssimo número de participantes de vários pontos do mundo” na EASD permite que se “uniformizem muitos pontos de vista”, possibilitando a cada clínico “compreender melhor a situação da diabetes em todo o mundo”.

A News Farma está a realizar a cobertura diária do evento através da sua plataforma digital.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019