Baxter nomeada pelo Índice de Melhores Práticas de Inclusão e Diversidade
10/09/2019 17:50:21
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Baxter nomeada pelo Índice de Melhores Práticas de Inclusão e Diversidade

A farmacêutica Baxter International está nomeada para o Índice Top 10% de Inclusão de 2019, na principal categoria do Índice Anual de Inclusão, a de Melhores Práticas de Diversidade. A Baxter é uma das 14 companhias finalistas, de entre as 148 que participaram na edição deste ano, reconhecidas pelos resultados alcançados na criação de um ambiente de trabalho inclusivo.

 

"Iniciar novas práticas - e melhorar as já existentes - que promovem uma cultura diversificada e inclusiva é um ponto importante da nossa transformação contínua”, referiu o Dr. José Almeida, presidente e diretor executivo da Baxter. "Sinto-me orgulhoso por ver a Baxter reconhecida como uma companhia de primeira linha no que diz respeito à inclusão no local de trabalho e por estarmos comprometidos com a evolução contínua nesta área, garantindo que todos os colaboradores têm a oportunidade de crescer connosco”.

Neste terceiro ano, o Índice de Inclusão das Melhores Práticas de Diversidade avalia as companhias dos EUA a nível de recrutamento, retenção e promoção de colaboradores de grupos sub-representados (sejam mulheres, minorias étnicas e raciais, pessoas com incapacidade e comunidade LGBTQ); cultura corporativa, incluindo liderança responsável; transparência e melhorias anuais na diversidade demográfica.

A estratégia de Inclusão e Diversidade (I&D) da Baxter é abrangente, com iniciativas sólidas de recrutamento e contratação, educação e formação, oportunidades de desenvolvimento de liderança, etc. Por exemplo, desde 2017, cerca de 200 executivos concluíram já o programa de Gender IQ; cerca de 80% da equipa de liderança da Baxter está envolvida no apoio a projetos de mulheres inspiradoras e de colaboradores representantes de minorias; e foram criados oito Grupos de Recursos Empresariais liderados por colaboradores (Asian Leadership Network, Baxter Black Alliance, Baxter EnAbles, Baxter Equality Network, Baxter Women Leaders, BaxVets, Early Career Professionals e Latinos Baxter), que funcionam como fóruns que permitem às nossas pessoas aumentar o crescimento pessoal e a compreensão multicultural, fortalecendo as relações entre todos.

“Criar uma cultura em que cada pessoa se sinta valorizada, respeitada e segura para ser autêntica é o que motiva o nosso trabalho em I&D”, referiu a Dr.ª Jeanne Mason, vice-presidente da área de Recursos Humanos. “Com o compromisso e o envolvimento ativo dos líderes da Baxter estamos confiantes de que os nossos esforços têm feito desta Companhia um excelente local para que pessoas de todos os contextos possam desenvolver uma carreira com significado”.

A Baxter tem sido reconhecida pelas suas práticas de I&D por várias organizações. Recentemente (2019), a Companhia foi nomeada como “Melhor Empresa para Mulheres de Diferentes Culturas” pela revista Working Mother e como uma das "Melhores Empresas para Mulheres Executivas" pela National Association for Female Executives. A Companhia tem vindo a ser destacada nos rankings da revista Forbes nomeadamente nas listas de “Melhores Empregadores dos EUA para a Diversidade” e “Melhores Empregadores dos Estados Unidos”.

Conta ainda com uma nomeação na lista dos "Melhores Empregadores para Mulheres nos EUA" respeitante a 2019. Adicionalmente, a Baxter tem recebido de forma consistente a pontuação máxima de 100% no “Índice de Igualdade Corporativa” da Human Rights Campaign Foundation e, em 2018, esteve nomeada como uma das "100 Melhores Empresas" da Working Mother. A Companhia tem vindo, igualmente, a ser reconhecida com diversas distinções a nível regional e por projetos específicos que desenvolve em vários países de todo o mundo.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019