Novos medicamentos mais perto dos doentes com polineuropatia amiloidótica familiar
10/09/2019 15:43:21
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Novos medicamentos mais perto dos doentes com polineuropatia amiloidótica familiar

A Associação Portuguesa de Paramiloidose informou que as pessoas com polineuropatia amiloidótica familiar seguidos pelo Centro Hospitalar e Universitário do Porto vão começar a ter acesso a novos medicamentos, nomeadamente inotersen e patisiran, desenvolvidos para dar resposta a esta doença no mais curto espaço de tempo, estando os mesmos ainda em fase de avaliação pela Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed). O anúncio surge depois de uma audiência entre a Associação e o o Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, o Dr. Francisco Ramos. 

A verificar-se, os utentes seguidos pelo centro de referência do Norte passarão a ter a mesma oportunidade dos doentes seguidos no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte.

Ainda na audiência, que decorreu no Ministério da Saúde e que contou também com a presença do presidente do Infarmed, Dr. Rui Santos Ivo, foi avançado que as negociações com os laboratórios, e relativas aos dois medicamentos novos, estão a entrar na fase final.

Para a Associação Portuguesa de Paramiloidose é fundamental que os medicamentos novos sejam alargados também ao estádio 1 da doença, uma vez que “é no início que se pode estabilizar e, em alguns casos, reduzir a progressão da doença”, destacando a "existência de tratamentos diferente por parte das administrações dos dois centros de referência - Centro Hospitalar e Universitário do Porto e Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte - perante cidadãos portugueses com a mesma doença". 

Em Portugal, existem cerca de 2 mil portadores da doença diagnosticados.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019