Células estaminais capazes de restaurar fertilidade após quimioterapia
08/08/2019 17:25:58
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Células estaminais capazes de restaurar fertilidade após quimioterapia

Estudos acerca do potencial terapêutico de metodologia inovadora que consiste na administração de células estaminais mesenquimais do tecido do cordão umbilical (UC-MSC) têm demonstrado que este tipo de células, através da libertação de fatores de crescimento e outras moléculas, são capazes de promover a sobrevivência de outras células e a regeneração de tecidos danificados.

Um estudo recentemente publicado reporta melhorias na função ovárica e na fertilidade em modelo animal de insuficiência ovárica prematura, após tratamento com UC-MSC. Mais concretamente, nos animais submetidos a quimioterapia que desenvolveram insuficiência ovárica prematura, a administração destas células estaminais melhorou os níveis hormonais e o número de folículos (que levam à libertação de óvulos para fecundação), com consequente aumento da fertilidade. O estudo mais detalhado dos mecanismos envolvidos revelou que a administração de UC-MSC permite a sobrevivência das células dos ovários, bem como o desenvolvimento dos folículos.

Em doentes do sexo feminino, um dos problemas que pode surgir após quimioterapia para tratamento do cancro é a alteração da função ovárica, com consequente perda de fertilidade. Os danos causados podem originar insuficiência ovárica prematura e a ausência de ovulação característica desta doença leva a que estas mulheres se debatam com problemas de infertilidade”, lembra a Dr.ª Bruna Moreira, Investigadora do Departamento de I&D da Crioestaminal, acrescentando que "estudos como este são importantes para responder à necessidade de desenvolver novos tratamentos capazes de restaurar a fertilidade nestas mulheres”.

Os resultados obtidos neste estudo estão em condordância com outros anteriormente publicados, o que indica que o tratamento com células estaminais obtidas a partir de tecido do cordão umbilical poderá vir a constituir uma alternativa eficaz no tratamento de insuficiência ovárica prematura. A realização de ensaios clínicos será determinante para o desenvolvimento deste tratamento inovador.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019