Bayer recebe opinião positiva do CHMP para larotrectinib
08/08/2019 15:26:45
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Bayer recebe opinião positiva do CHMP para larotrectinib

O Comité para os Medicamentos de Uso Humano (CHMP) da Agência Europeia de Medicamentos recomendou a autorização de introdução no mercado na União Europeia (UE) para o larotrectinib, uma terapêutica oncológica de medicina de precisão da Bayer. A indicação recomendada é o tratamento de doentes adultos e pediátricos com tumores sólidos que apresentam uma fusão do gene do recetor Tirosina Cinase Neurotrófico (NTRK, neurotrophic receptor tyrosine kinase), com doença localmente avançada,  metastática, ou quando é provável que a ressecção cirúrgica resulte em morbilidade grave, e que não têm opções de tratamento satisfatórias.

A decisão final da Comissão Europeia sobre a autorização de introdução no mercado está prevista para os próximos meses. O larotrectinib, é o primeiro de uma nova classe de inibidores orais do TRK especificamente desenvolvido para tratar tumores que expressam uma fusão do gene NTRK, e será o primeiro tratamento a receber uma indicação agnóstica, independente do tipo de tumor na UE. O larotrectinib já está aprovado nos EUA, bem como no Brasil e no Canadá.

A recomendação do CHMP é baseada em dados agregados de ensaios clínicos com 102 doentes (93 doentes da população da análise primária e 9 doentes adicionais com tumores do sistema nervoso central [SNC]) de vários ensaios clínicos: ensaio de fase I de doentes adultos, ensaio de fase II NAVIGATE em doentes adultos e adolescentes e no ensaio de fase I/II pediátrico SCOUT, que demonstram uma elevada taxa de resposta com respostas rápidas e duradouras ao larotrectinib. Os resultados na população da análise primária demonstram uma taxa de resposta global (ORR, overall response rate) de 72 % (IC de 95 %: 62, 81), incluindo uma taxa de resposta completa (CR, complete response) de 16 % e uma taxa de resposta parcial (PR, partial response) de 55 %. Numa análise adicional que inclui doentes com tumores primários do SNC, a ORR foi de 67 % (IC de 95 %: 57, 76), incluindo uma taxa de CR de 15 % e uma taxa de PR de 51 %. No conjunto agregado da análise primária, a duração mediana da resposta não foi alcançada no momento da análise, com respostas que variam entre 1,6+ e 38,7+ meses, tendo 75 % dos doentes uma duração da resposta de 12 meses ou mais. Noventa por cento (IC de 95 %: 83, 97) dos doentes tratados estavam vivos um ano após o início da terapêutica. A sobrevida livre de progressão mediana não foi alcançada no momento da análise. A segurança do larotrectinib foi avaliada em 125 doentes com uma fusão de um gene NTRK. A maioria dos EAs (eventos adversos) foram de grau 1 ou 2; três por cento dos doentes teve de interromper a terapêutica devido a EAs emergentes do tratamento. Foi reportada uma redução da dose na população-alvo (n = 125) em 19 (15 %) doentes, incluindo 10 (8 %) devido a EAs. A maioria dos EAs que levaram a uma redução da dose ocorreu nos primeiros três meses do tratamento.

Os tumores que expressam proteína de fusão TRK são de um modo geral raros, afetando não mais do que alguns milhares de doentes na Europa, anualmente. Afeta tanto adultos como crianças e ocorre com frequências variáveis em vários tipos de tumores. Em ensaios clínicos, o larotrectinib foi investigado em 29 histologias diferentes de tumores sólidos, incluindo tumores do pulmão, da tiroide, melanoma, do estroma gastrointestinal, do cólon, sarcomas de tecidos moles, de glândulas salivares e fibrossarcoma infantil. O larotrectinib é um inibidor do TRK altamente seletivo direcionado às proteínas de fusão TRK que alimentam o crescimento e a disseminação do tumor, independentemente da sua origem/localização inicial no corpo humano. O larotrectinib demonstrou eficácia em tumores do sistema nervoso central (SNC) primários, bem como em doentes com metástases cerebrais, em várias idades e histologias tumorais.

“Esta recomendação positiva do CHMP para a primeira indicação independente do tipo de tumor na Europa assinala um importante passo no sentido de disponibilizar um medicamento de precisão inovador para crianças e adultos com tumores que expressam proteínas de fusão TRK na Europa", referiu o Dr. Scott Z Fields, vice-presidente sénior e diretor de desenvolvimento de Oncologia na Bayer. "O larotrectinib foi especificamente desenvolvido para tratar doentes com tumores que expressam proteínas de fusão TRK e tem potencial para melhorar significativamente os resultados do tratamento, independentemente do tipo de tumor ou da idade do doente. À medida que os investigadores aprofundam os seus conhecimentos sobre genómica tumoral, torna-se de grande importância assegurar o acesso generalizado a testes genómicos para permitir a identificação e o tratamento de doentes que podem obter benefícios de medicamentos de precisão, colocando-nos um passo à frente na abordagem terapêutica universal".

Testes de elevada qualidade para identificação do NTRK são essenciais para identificar esses doentes que têm maior probabilidade de obterem benefícios com o larotrectinib. Apenas testes específicos podem identificar fusões de genes NTRK ou proteínas de fusão TRK. A imuno-histoquímica (IHQ) é uma ferramenta de rastreio útil. No entanto, a IHQ deteta a expressão da proteína TRK wildtype e da proteína de fusão do TRK; portanto, os resultados positivos têm de ser confirmados por testes mais específicos tais como sequenciação de nova geração. Os doentes elegíveis para tratamento com larotrectinib devem ser selecionados com base na presença de uma fusão de genes NTRK no respetivo tumor.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019