Criado sistema para orientar doentes da Urgência para o médico de família
02/08/2019 12:54:55
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Criado sistema para orientar doentes da Urgência para o médico de família

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Pinhal Litoral e o Centro Hospitalar de Leiria (CHL) uniram-se para criar um sistema de orientação dos utentes não urgentes da Urgência Geral do Hospital de Santo André para os cuidados de saúde primários. O projeto arrancou a 1 de agosto e pretende diminuir as falsas urgências, orientando-os para os centros de saúde, onde serão atendidos no próprio dia, preferencialmente pelo seu médico de família.

Prevê-se encaminhamento dos utentes triados com as prioridades “pouco urgente” (pulseira verde) e “não urgente” (pulseira azul) para consulta agendada para esse dia nas unidades de saúde dos cuidados de saúde primários onde estão inscritos. Estes utentes representam entre 33% e 50% dos utentes que procuram o Serviço de Urgência, sendo penalizados com tempos de espera prolongados e exposição desnecessária a outros doentes. O projeto arranca, numa primeira fase experimental, com a colaboração de 13 de médicos de família de duas unidades de saúde familiar (USF), pretendendo-se o alargamento gradual dos clínicos e das unidades envolvidas, e a aplicação do projeto também na Urgência Pediátrica.

O projeto tem como grande objetivo encaminhar o utente com doença aguda para o local e profissional que melhor o pode atender nessa situação - o seu médico de família na sua unidade de saúde - que o pode consultar com acesso a todo o seu histórico, com o tempo que lhe é devido. O ACES e o CHL pretendem assim diminuir as falsas urgências no Serviço de Urgência Geral do Hospital de Santo André, que sobrecarregam desnecessariamente o serviço, quando os centros de saúde da região investem em horários alargados, com profissionais disponíveis para ver os seus doentes, e quando cerca de 98% dos utentes de Leiria têm médico atribuído. A sensibilização é outra das grandes metas, esperando-se que a médio prazo o doente agudo, em situação não urgente, se dirija sempre como primeira opção ao seu médico de família.

Depois de triada a prioridade clínica, e atribuída a pulseira verde ou azul, o enfermeiro triador informa o doente de que pode ser orientado para o seu centro de saúde. Se o utente aceitar, o enfermeiro agenda consulta nos cuidados de saúde primários, para o próprio dia. O utente recebe depois uma “convocatória para consulta referenciada” devendo depois dirigir-se ao seu centro de saúde, na hora da consulta que foi previamente agendada. Para este efeito, o doente é dispensado do pagamento da taxa moderadora do Serviço de Urgência.

Não estão incluídos no grupo dos doentes triados como verdes ou azuis a serem orientados para os cuidados de saúde primários, os doentes encaminhados pela Linha SNS24, referenciados previamente pelo centro de saúde ou médico assistente, doentes com mais de 75 anos, ou com determinadas patologias específicas, como asma.

Esta é uma iniciativa conjunta que faz parte de um grupo de medidas que o CHL e o ACES Pinhal Litoral têm vindo a desenvolver no sentido de reduzir os utentes não urgentes na Urgência, para melhorar a resposta aos doentes e responder às suas necessidades – os urgentes e os não urgentes. Foi desenvolvido após a visita ao Hospital Santa Maria Maior, de Barcelos, com uma comitiva composta por diversos profissionais do CHL e do ACES Pinhal Litoral, para conhecer um projeto semelhante que aquele hospital tem em funcionamento desde o ano passado.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019