Terapia de ressincronização cardíaca e novas técnicas emergentes
19/07/2019 17:17:15
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Terapia de ressincronização cardíaca e novas técnicas emergentes

A terapia de ressincronização cardíaca está “mais do que estabelecida” na melhoria tanto do prognóstico dos doentes, como na sua qualidade de vida. Quem o diz é o Dr. Afonso Nunes Ferreira, médico cardiologista, que acredita que, sob o ponto de vista do doente, “é tão ou mais importante melhorar a sua capacidade funcional do que o próprio prognóstico”. Assista ao vídeo.

Em entrevista à News Farma, o especialista de saúde revela que um dos principais desafios desta técnica é o facto de cerca de 30% a 40% dos doentes “ainda serem não respondedores e, por causa disso, não beneficiarem desta terapia de ressincronização, referindo que, no entanto, existem outras técnicas promissoras “que parecem ter um valor promissor no incremento na taxa de respondedores à técnica”.

O Dr. Afonso Nunes Ferreira refere ainda que “o nosso objetivo é melhorar a taxa de respondedores através de novas técnicas para o implante do sistema de ressincronização, nomeadamente a implantação do eletrocateter esquerdo na parede lateral ou póstero lateral do ventrículo esquerdo”, reforçando a importância dos profissionais de saúde apostarem na utilização de novas técnicas alternativas, nomeadamente a técnica de SNARE, através de tecnologias de medição. Desta forma, “ressincronizamos a região entre o ventrículo esquerdo e direito e melhoramos o débito cardíaco bem como os avanços de prognóstico e qualidade de vida dos doentes”.

Vídeo

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019