Cirurgia de varizes é mais eficaz com especialistas, conclui estudo da FMUP
17/07/2019 15:29:18
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Cirurgia de varizes é mais eficaz com especialistas, conclui estudo da FMUP

Um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) avaliou os mais de 150 mil pacientes operados às varizes entre os anos de 2004 e 2016 em todos os hospitais públicos portugueses e concluiu que os doentes intervencionados por um especialista em Cirurgia Vascular têm melhores resultados e uma recuperação mais rápida do que aqueles que são operados por um cirurgião geral.

Tendo em consideração que mais de metade das cirurgias de varizes são realizadas por médicos sem formação na especialidade, o grupo de investigadores, coordenado pelo Prof. Doutor Sérgio Sampaio, docente e investigador da FMUP, avaliou o impacto que a formação específica do médico tem nos resultados das cirurgias realizadas às varizes. O estudo mostrou que os pacientes operados por um especialista em cirurgia vascular têm alta médica mais cedo do que os restantes, já que a taxa de hospitalização prolongada é de apenas 3%, contra os 14% no grupo operado por um cirurgião geral. A investigação concluiu ainda que o número de pacientes a necessitar de uma nova intervenção cirúrgica é maior quando o procedimento é efetuado por um cirurgião geral (13,5% vs. 8,2%).

A par da avaliação dos pacientes operados às varizes nos anos já citados, a investigação selecionou ainda 315 doentes para responder a um conjunto de questões acerca da sua satisfação e período pós-operatório. Neste sentido, as conclusões evidenciam uma recuperação mais rápida quando o procedimento é realizado por um cirurgião vascular, já que esses mesmos pacientes faltaram menos dias ao trabalho (média de 27 dias vs. 40 do grupo geral) e levaram menos tempo a retomar a prática de atividade física (41 dias vs. 60 do grupo geral).

É notória a melhoria da qualidade de vida e a satisfação geral em ambos os grupos avaliados, embora existam também casos de insatisfação estética no grupo intervencionado por um cirurgião geral, que revelaram a existência de piores cicatrizes cirúrgicas e um maior número de varizes.

Segundo a FMUP, este terá sido o primeiro grande estudo onde se comparou resultados da cirurgia de varizes realizada por profissionais com ou sem formação específica em cirurgia vascular. A prevalência da doença venosa crónica (DVC) atinge entre 20 e 25% da população portuguesa, sendo o sexo feminino o mais atingido.

Fonte: Universidade do Porto


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019