“Os problemas relacionados com a resistência aos antimicrobianos são uma das maiores ameaças à saúde global”
16/07/2019 15:11:03
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
“Os problemas relacionados com a resistência aos antimicrobianos são uma das maiores ameaças à saúde global”

A CUF Academic and Research Medical Center está a organizar um simpósio e um curso teórico-prático dedicados ao tema da antibioterapia, que se vão realizar no Hospital CUF Descobertas, nos dias 19 e 20 de setembro.

Esta iniciativa destina-se a médicos, enfermeiros, farmacêuticos e outros profissionais de saúde e surge da necessidade de explorar a resistência das bactérias aos antibióticos e as consequências clínicas e epidemiológicas que daí advêm. “Os problemas relacionados com a resistência aos antimicrobianos são uma das maiores ameaças à saúde global. Detetar-se uma bactéria resistente a quase todos os antibióticos disponíveis, restando apenas alternativas menos inócuas para o doente, deixou de ser um fenómeno raro em todo o mundo”, explica em entrevista o Prof. Doutor Paulo Paixão, Microbiologista na Germano de Sousa e membro da Comissão Organizadora do evento.

 

Paulo Paixao f75ac

News Farma (NF) | Porquê o foco na antibioterapia?

Prof. Doutor Paulo Paixão (PP) | Segundo a Organização Mundial de Saúde, os problemas relacionados com a resistência aos antimicrobianos são uma das maiores ameaças à saúde global, estando associados a aumento da mortalidade, aumento dos custos associados à saúde e ao prolongamento das estadias hospitalares, entre outros.

Portugal não é exceção a esta ameaça global, sendo a deteção de bactérias multirresistentes um fenómeno já relativamente frequente nas nossas instituições de saúde, com todas as consequências clínicas e epidemiológicas que daí advêm, pelo que se justifica plenamente a realização de eventos científicos dedicados exclusivamente à discussão desta temática.

NF | Porque optaram por esta estrutura (simpósio e curso)?

PP | No simpósio pretende-se uma abordagem alargada do tema, aberta a todos os interessados, sendo convidados especialistas em diferentes vertentes para transmissão das suas experiências e posterior discussão com a audiência, seguindo assim o modelo mais comum dos eventos científicos.

O curso é uma ação formativa limitada a um número restrito de participantes, uma vez que se pretende que seja interativo e com abordagem de temas específicos, concretamente os testes de suscetibilidade aos antimicrobianos e a monitorização farmacocinética.

NF | O público-alvo é muito abrangente: este é um tema multidisciplinar?

PP | Sem dúvida, a luta contra esta ameaça passa pelo envolvimento de todos os profissionais de saúde e até para além disso, uma vez que a origem do problema não está exclusivamente relacionada com a saúde humana, mas também com outras aplicações dos antimicrobianos, como por exemplo na medicina veterinária. Desta forma, esperamos, e será desejável, que os participantes tenham formações diversas, de forma a que o debate não se centre apenas nos fatores de risco mais conhecidos para a aparecimento de resistências.

NF | A que se deve a ameaça das resistências antimicrobiana e quais os riscos?

PP | As bactérias têm uma capacidade de adaptação maior do que os outros seres vivos, pelo que cada vez que as agredimos com antimicrobianos elas tentam, sempre que podem, responder da forma que melhor sabem, isto é, apresentando resistências aos mesmos. Este fenómeno é inevitável e vai acompanhar-nos sempre, mas pode ser minimizado se tivermos uma utilização correta dos antimicrobianos. Mas, tal como referido, também para esta equação temos de considerar o uso dos antimicrobianos em outras áreas que não a da saúde humana, como na medicina veterinária ou até mesmo na utilização para fins agrícolas.

As consequências são as já referidas: aumento da mortalidade associada às infeções, aumento dos custos associados à saúde, prolongamento das estadias hospitalares. Detetar-se uma bactéria resistente a quase todos os antibióticos disponíveis, restando apenas alternativas menos inócuas para o doente, deixou de ser um fenómeno raro em todo o mundo.

 

Mais informações e inscrições aqui.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019