“Não Caia Nisso”: campanha alerta para a prevenção de quedas dos idosos
15/07/2019 17:44:19
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
“Não Caia Nisso”: campanha alerta para a prevenção de quedas dos idosos

Cerca de 30% dos idosos já caíram alguma vez, sendo que 8% dessas quedas provocam lesões graves com risco de morte. Sabe-se ainda que 28% das mortes nas pessoas idosas ocorrem por consequência direta das quedas. A pensar nisto, a campanha “Não Caia Nisso” tem como principal objetivo alertar para a temática da queda nos idosos e realçar a importância de hábitos preventivos no dia a dia dos mesmos. A Médico News marcou presença no evento de lançamento da campanha e falou com os principais responsáveis pela iniciativa. Assista aos vídeos.

O Dr. Carlos Evangelista, coordenador do Grupo de Estudo de Ortopedia Geriátrica da Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia (SPOT), afirma que esta é uma campanha de divulgação que pretende ser uma chamada de atenção para riscos que podem ser evitados e que ocorrem, geralmente, em casa. “Queremos chamar a atenção da sociedade, particularmente das pessoas de idade, sobre a problemática da queda e de todos os problemas que daí advêm”.

O especialista alerta para a importância da prevenção, enumerando alguns comportamentos de forma a evitar este tipo de quedas: “ter uns tapetes que sejam anti aderentes e que protejam da queda, ter o telefone sempre por perto, ter luzes de presença noturnas para não andar no escuro e ter a preocupação sobre o que podemos comer ou não” são alguns comportamentos aconselhados, não esquecendo de “privilegiar uma melhor saúde. O exercício físico é fundamental para a pessoa manter o seu tónus muscular e o equilíbrio, tal como ter alguma atividade mental e interesse pela vida”.

A News Farma entrevistou ainda o Prof. Doutor Guimarães Consciência, presidente da SPOT, que revela que “as fraturas que acontecem na sequência de quedas são muitas vezes complicadas pelo facto de acontecerem em doentes que têm fragilidade óssea, com acontece nas pessoas de mais idade”.

Responsável pelo Serviço de Ortopedia do Hospital São Francisco Xavier, o médico garante que “todas as semanas se apresentam doentes com fraturas de fragilidade”, sendo este problema responsável por um número cada mais crescente de morbilidade e mortalidade nos idosos.

O médico recorda ainda a importância dos “custos importantes e tangíveis do ponto de vista económico” a que os doentes estão sujeitos aquando o seu tratamento, a par “dos custos intangíveis, como os emocionais”.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019