Células estaminais do tecido adiposo influenciam regeneração em osteoartrite do joelho
09/07/2019 16:27:52
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Células estaminais do tecido adiposo influenciam regeneração em osteoartrite do joelho

As células estaminais mesenquimais (MSC, Mesenchymal Stem Cells) preparadas em laboratório a partir de tecido adiposo são uma abordagem terapêutica eficaz para o tratamento de osteoartrite do joelho, estando associadas a melhorias significativas ao nível da dor e da qualidade de vida. Quem o diz é um estudo divulgado recentemente, onde foram avaliados 23 doentes que receberam injeções locais com MSC do tecido adiposo e 24 doentes tratados com infiltrações de ácido hialurónico.

 

O ensaio clínico comparou os dois grupos e os autores verificaram que, um ano após o tratamento, os doentes tratados com MSC apresentaram um aumento significativo do volume da cartilagem danificada, contrariamente aos do outro grupo. A redução da dor e a melhoria da qualidade de vida foram outros aspetos positivos reportados por estes doentes.

O mesmo foi verificado noutro ensaio clínico, em que 12 doentes com osteoartrite do joelho, após a administração local de MSC de tecido adiposo autólogo, isto é, do próprio, apresentaram uma diminuição de 59% na escala da dor, de 54% na escala de rigidez e de 54% na escala relativa à limitação física, medidas através de um índice para avaliação do doente com osteoartrite (WOMAC).

Segundo a Prof.ª Doutora Bruna Moreira, Investigadora do Departamento de I&D da Crioestaminal, “ambos os ensaios clínicos reportaram um excelente perfil de segurança relativo ao uso de células do tecido adiposo, tendo os tratamentos sido bem tolerados. Estes resultados vêm indicar que o tratamento com MSC do tecido adiposo autólogo é seguro e eficaz no tratamento desta doença, potencialmente devido às propriedades anti-inflamatórias e regenerativas destas células.”

A investigadora acrescenta ainda que “a realização de ensaios clínicos com maior número de doentes e tempo de acompanhamento mais longo é fulcral para que, futuramente, este tipo de terapia inovadora possa vir a estar disponível para o grande público.”

A osteoartrite caracteriza-se pela degeneração da cartilagem, associada a um processo inflamatório, originando sintomas como dor, inchaço e rigidez. Os tratamentos atualmente existentes para melhorar a sintomatologia e atrasar a progressão da doença incluem fármacos anti-inflamatórios e injeções de ácido hialurónico. Estima-se que, em todo o mundo, cerca de 10% dos homens e 18% das mulheres com idade superior a 60 anos sofram de osteoartrite.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019