Estudos de fase 3 de upadacitinib na artrite reumatoide apresentados no Congresso Anual da EULAR
04/07/2019 16:03:21
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Estudos de fase 3 de upadacitinib na artrite reumatoide apresentados no Congresso Anual da EULAR

A artrite reumatoide é uma doença crónica e debilitante que atinge cerca de 23,7 milhões de pessoas em todo o mundo. A biofarmacêutica global de investigação e desenvolvimento, AbbVie, anunciou os novos resultados dos ensaios clínicos de fase 3 SELECT-EARLY e SELECT-COMPARE, que revelam que os doentes tratados com upadacitinib em toma diária única durante 48 semanas demonstram melhorias nos sinais e sintomas de artrite reumatoide.

Foi no Congresso Europeu Anual de Reumatologia da European League Against Rheumatism (EULAR - Liga Europeia de Combate ao Reumatismo), realizado entre os dias 12 e 15 de junho, em Madrid, que foram revelados os dados dos estudos SELECT-EARLY e SELECT-COMPARE, que mostram que uma proporção significativamente superior de doentes tratados com upadacitinib em monoterapia ou em combinação com metotrexato (MTX) manteve remissão clínica, em comparação com doentes tratados com MTX ou adalimumab em combinação com MTX, respetivamente, à semana 48.

Upadacitinib, um agente oral em investigação desenvolvido pela AbbVie para a inibição seletiva de JAK1, está a ser estudado como terapêutica de toma diária única na artrite reumatoide ativa moderada a grave e em diversas outras doenças inflamatórias imunomediadas. O fármaco oral em investigação não está, ainda, aprovado pelas autoridades regulamentares.

Adicionalmente, dados de uma análise de segurança integrada de cinco estudos clínicos do programa de fase 3 SELECT mostram que o tratamento com upadacitinib em doentes com artrite reumatoide ativa moderada a grave demonstra um perfil de segurança consistente. “Estes dados continuam a sustentar o potencial de upadacitinib para ajudar a manter um controlo consistente da doença em doentes com artrite reumatoide ativa moderada a grave", afirmou o Prof. Doutor Ronald van Vollenhoven, do Centro de Reumatologia e Imunologia de Amesterdão, Países Baixos. “Embora a remissão seja o principal objetivo do tratamento, de acordo com as recomendações do American College of Rheumatology e da European League Against Rheumatism, atualmente, a maioria dos doentes não alcança remissão clínica, apesar das opções terapêuticas disponíveis.”

O Dr. Marek Honczarenko, vice-presidente do departamento de Imunologia da AbbVie, revela que “na última década, foram feitos avanços importantes em termos da compreensão da artrite reumatoide e do seu tratamento, avanços que vão além do tratamento dos sintomas e que se centram agora no alcance de remissão clínica".

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019