Investigadores testam vacina capaz de combater os sintomas do Alzheimer
01/07/2019 17:42:24
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Investigadores testam vacina capaz de combater os sintomas do Alzheimer

Está a ser desenvolvida uma vacina capaz de combater os sintomas do Alzheimer, por investigadores da United Neuroscience, na Irlanda. Intitulada de UB-311, esta vacina pretende desencadear uma resposta de anticorpos, eliminando as duas proteínas nocivas: beta-amilóide e tau, causadoras da patologia.

Os cientistas acreditam que a doença é causada por duas proteínas nocivas: beta-amilóide e tau. A vacina, a UB-311, pretende desencadear uma resposta de anticorpos, eliminando as proteínas em questão. No início deste ano, a United Neuroscience anunciou resultados muito positivos de uma análise clínica de 42 doentes a quem a vacina foi administrada. "Fomos capazes de gerar alguns anticorpos em todos os pacientes, o que é incomum para as vacinas. Estamos a falar de uma taxa de resposta de quase 100%", explica a Prof.ª Doutora Chang Yi, uma das fundadoras da empresa.

O Prof. Doutor James Brown, diretor do Centro de Investigação para o Envelhecimento Saudável da Universidade Aston, em Birmingham, considera que o método pode ser a "melhor hipótese que temos" para "acabar com os sintomas ou minimizá-los".

"Temos uma visão a 50 anos - proteger as pessoas contra doenças crónicas e o envelhecimento crónico com vacinas tão eficazes como as vacinas contra doenças infecciosas", conta o Dr. Lou Reese, outro dos investigadores do projeto. Segundo o mesmo, este pode ser o primeiro passo para a democratização da Medicina.

Segundo a Alzheimer Portugal, o Alzheimer é o tipo mais comum de demência, constituindo cerca de 50% a 70% de todos os casos. A doença é responsável pela deterioração progressiva e irreversível de diversas funções cognitivas, como a memória, a concentração e o pensamento.

A vacina contra Alzheimer ainda está em fase de teste, mas a United Neuroscience já adotou a tecnologia utilizada para começar a trabalhar na criação de outra vacina, desta vez para combater o Parkinson.

Fonte: Visão

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019