Glintt Inov lança novos projetos para o mercado
30/05/2019 17:00:55
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Glintt Inov lança novos projetos para o mercado

A Glintt, multinacional portuguesa, vai lançar para o mercado novos projetos no âmbito da sua plataforma de inovação Glintt Inov, que tem como objetivo impactar e transformar o setor da Saúde, melhorar a qualidade de vida das pessoas de forma sustentável, reduzir o risco da doença e criar condições para uma melhor resposta do sistema alargado de saúde.

Neste sentido, e tendo como missão a procura pelos projetos mais inovadores e que respondam aos desafios cada vez mais complexos do setor da Saúde, a Glintt Inov selecionou dois projetos - do concurso lançado no ano passado para os seus colaboradores -, que irão agora avançar para o mercado. Embora sejam projetos que têm o mesmo fim, são totalmente distintos e ligam diferentes tecnologias. Por exemplo, desde uma aplicação para monitorizar e gerir a doença crónica da melhor forma, utilizando técnicas de gamificação – Game4Life, até uma solução baseada em tecnologias de Inteligência Artificial para apoio aos diagnósticos efetuados pelos médicos – G-Diagnosis.

“Todos nós dependemos cada vez mais do telemóvel e das APPS, então, porque não lhes dar uma função na área da Saúde? Talvez a forma como os podemos utilizar nesta área passe por termos uma espécie de jogo para, continuamente, melhorarmos o modo como tomamos conta da saúde e do bem-estar. E, por outro lado, na fase da doença, neste caso da crónica, poderemos também utilizar a tecnologia para garantir que estamos a promover o autocuidado”, explica o Dr. João Paulo Cabecinha, administrador executivo da Glintt.

Assim, surge o Game4Life, uma aplicação que tem como principal intuito acompanhar o doente crónico ou os doentes que necessitam de ter um plano de acompanhamento prescrito pelo seu médico e farmacêutico de confiança. Hoje em dia existem já várias APPS para controlo de Diabetes, mas que apenas permitem o registo de informação, não possibilitando o acompanhamento por um profissional de saúde, ou neste caso do farmacêutico de confiança, de forma a que este o aconselhe relativamente ao plano que se encontra a seguir.

Neste contexto, o Game4Life vem alterar este paradigma, uma vez que através desta APP, o doente vai recebendo pontos à medida que vai registando com sucesso as ações indicadas pelo médico e sabe que estas estão a ser recebidas pelo seu farmacêutico para que o possa orientar e até mesmo enviar mensagens de encorajamento. Desta forma, o objetivo deste projeto é claro: tornar-se num aplicativo de referência no setor da saúde e no acompanhamento da doença crónica, de modo a reduzir a taxa de hospitalização, devido ao seguimento incorreto dos planos de tratamento, bem como melhorar a qualidade de vida do doente crónico, garantindo uma ligação e monitorização contínua.

Por sua vez, o G-Diagnosis apresenta-se como uma ferramenta de suporte à tomada de decisão clínica, utilizando disciplinas da inteligência artificial no dia a dia dos médicos. Tomando partido do ecossistema digital existente nas instituições de saúde, rico em informações clínicas (nomeadamente resultados analíticos de exames e análises, historial clínico do paciente, antecedentes familiares e dados sociodemográficos), a solução em desenvolvimento irá aplicar algoritmos de machine learning, alimentados e treinados continuamente sobre esta informação. Perante uma situação de incerteza ao nível do diagnóstico, e sustentado na informação registada para cada paciente (por exemplo, sintomas e resultados de análises laboratoriais), a solução irá apresentar os diagnósticos com maior probabilidade de ocorrência. Numa primeira fase, iremos focar-nos na fibromialgia, uma patologia cujo diagnóstico é, tipicamente, muito demorado e de custo elevado, justificado pela natureza diferencial do seu diagnóstico.

Com esta plataforma, pretende-se reduzir o custo associado à realização de exames de despiste e aumentar a produtividade dos serviços, contribuindo para a melhoria da prestação dos cuidados de saúde. A longo prazo, este investimento poderá traduzir-se numa diminuição de custos para as unidades de saúde e menores transtornos para os doentes.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019