Cirurgião português eleito presidente da Associação Internacional de Cirurgia Ambulatória
29/05/2019 16:26:08
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Cirurgião português eleito presidente da Associação Internacional de Cirurgia Ambulatória

O presidente da Associação Portuguesa de Cirurgia Ambulatória (APCA), o Dr. Carlos Magalhães, foi eleito presidente da Associação Internacional de Cirurgia Ambulatória para o período de 2021 a 2023. A nomeação foi feita durante a reunião do novo Comité Executivo, que decorreu no dia 26 de maio, no Porto. A expansão do modelo cirúrgico é um dos objetivos desenhados, entre muitos outros, para o mandato.

“É uma grande honra representar o país na cirurgia ambulatória a nível mundial e tentaremos mostrar tudo o que de bom se faz na área da saúde em Portugal”, refere o Dr. Carlos Maglhães.

A difusão da cirurgia ambulatória enquanto solução para o tratamento de um número cada vez mais alargado de doenças; a promoção da criação de mais unidades que operem neste regime, com um reforço especial para os países africanos; e a aposta na permanente investigação e atualização de conhecimentos junto dos profissionais de saúde constituem os principais objetivos delineados para o mandato.

O atual presidente da APCA foi eleito presidente do Comité Executivo da Associação Internacional de Cirurgia Ambulatória para o período de 2021 a 2023, sendo atualmente membro do Comité. A futura direção é também constituída pelo médico anestologista, Dr. Vicente Vieira, membro da direção da APCA. A Associação Internacional de Cirurgia Ambulatória é atualmente presidida pela Prof.ª Doutora Beverly K. Philip, que cessará funções em 2019, dando lugar ao Prof. Doutor Douglas McWinnie.

O Dr. Carlos Magalhães é formado em cirurgia geral e especialista em Medicina Desportiva pela Ordem dos Médicos. É ainda diretor do Serviço de Cirurgia Geral de Ambulatório do Centro Hospitalar Universitário do Porto, desde 2016. A cirurgia em regime de ambulatório tem tido, nos últimos anos, em Portugal, um desenvolvimento positivo, sendo que o principal fator de sucesso tem sido a sua caraterística multidisciplinar, envolvendo diferentes grupos profissionais, assim como a garantia de segurança e de elevados índices de qualidade no tratamento dos nossos doentes.

Vídeo


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019