Monoterapia ou politerapia no risco cardiovascular global: 3.º Simpósio Satélite da EHS decorre na sexta-feira
23/05/2019 16:07:54
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Monoterapia ou politerapia no risco cardiovascular global: 3.º Simpósio Satélite da EHS decorre na sexta-feira

Torres Vedras, mais precisamente o Hotel Dolce CampoReal, vai receber o 3.º Simpósio Satélite da Sociedade Europeia de Hipertensão (EHS) já nesta sexta-feira, dia 25 de maio, subordinado ao tema “Monoterapia vs. Politerapia no Risco Cardiovascular Global: da Ciência à Saúde Pública”. Esta é uma iniciativa organizada pela Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH).

 

Presentes no evento vão estar alguns dos mais reconhecidos nomes, nacionais e internacionais, da especialidade, que, em conjunto, vão debater o risco cardiovascular global e analisar o papel da politerapia na prevenção e no tratamento da doença cardiovascular.

Para haver uma adesão do doente ao tratamento é necessária uma abordagem integrada, explica o Dr. Vítor Paixão Dias, presidente da SPH, destacando o papel da redução progressiva do número de comprimidos.

“Neste momento, o que faz sentido é utilizar diferentes substâncias ativas num só comprimido”, afirma, revelando que atualmente “as associações de substâncias já conhecidas estão a trazer maior eficácia com menos efeitos secundários e uma maior adesão ao tratamento, essencial para o controlo da hipertensão”.

Depois da abertura do Dr. Vítor Paixão Dias, diretor do Serviço de Medicina Interna do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho vai ser apresentado um panorama da hipertensão arterial, desde o início do século XXI, traçado pelo Dr. Manuel Carvalho Rodrigues, do Centro Hospitalar Cova da Beira (CHCB). De seguida, o “Peso das Doenças Cardiovasculares em Portugal (e na Europa): Quo vadis?” é a sessão apresentada pelo Dr. Fernando Pinto, do Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga (CHEDV).

Segue-se o Professor Csaba Farsang, da Hungria, que irá abordar a “Importância clínica da interação medicamentosa: vantagens e desvantagens da polifarmácia”. Após um período de discussão e pausa para café, as apresentações centram-se na politerapia e adesão.  Os temas em exposição serão “O impacto da medicação anti-hipertensiva atual na Psicopatologia”, pelo Dr. János Nemcsik, Hungria, e “Existe algum limiar de adesão a atingir?”, pelo Dr. Michel Burnier, Suíça.

As sessões da tarde são dominadas por especialistas nacionais, nomeadamente o Prof. Doutor Luís Martins. O diretor do Serviço de Cardiologia do Centro Hospitalar Entre Douro e Vouga (CHDV) e diretor da Faculdade das Ciências da Saúde da Universidade Fernando Pessoa vai abordar “O papel do polypill na prevenção cardiovascular”.

Além disso, o Prof. Doutor Jorge Polónia, do Hospital Pedro Hispano de Matosinhos, vai falar sobre a “Avaliação da adesão dos doentes com hipertensão resistente pela toma supervisionada da medicação. Será o polypill com três substâncias ativas a solução?”

De seguida abre-se o debate para uma mesa-redonda, que terá o Dr. Vítor Paixão Dias como moderador do painel I.

A parte final deste simpósio encerra com o Dr. Giuseppe Verdi, Itália, com uma apresentação sobre a “Tratamento Inicial em associação à luz das guidelines da ESC/ESH”, ficando as conclusões finais a cargo do Prof. Doutor Csaba Farsang.

Consulte o pdfprograma para saber mais.

 

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019