Bayer e APF promovem roadshow sobre a contraceção de longa duração. Saiba onde
06/05/2019 16:22:33
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Bayer e APF promovem roadshow sobre a contraceção de longa duração. Saiba onde

"Descomplica" é o nome da campanha lançada pela Bayer e a Associação para o Planeamento da Família, que pretende correr várias universidades do país e testar os conhecimentos dos estudantes sobre a contraceção de longa duração (CLD) e, ao mesmo tempo, desmistificar e esclarecer as questões sobre esta temática, o roadshow começou no dia 11 de abril, na Universidade do Algarve, e vai passar por várias faculdades de norte a sul do país, até ao final do ano. 

 

A iniciativa tem dois objetivos fundamentais. O primeiro, testar o nível de conhecimento dos jovens sobre a contraceção de longa duração, numa altura em que vários estudos confirmam que este ainda é um método pouco conhecido entre os jovens. O segundo, disseminar informação sobre os vários métodos de contraceção, nomeadamente a utilização e eficácia, de modo a contribuir para a diminuição do desconhecimento sobre as alternativas modernas desta área. 

A importância desta iniciativa de sensibilização e educação sobre métodos contracetivos de longa duração é realçada pelos resultados do estudo TANCO (Think About Needs In Contraception), promovido pela Sociedade Europeia de Contraceção. 

O estudo demonstra que as mulheres não estão tão satisfeitas com a pílula quanto os seus médicos supõem e que, apesar dos profissionais de saúde presumirem que apenas 38% das mulheres se esqueceram da pílula nos últimos três meses, na realidade mais de metade (57%) se esqueceu. Para além disso, a utilização de contraceção de emergência também é subestimada pelos médicos, que acreditam que apenas 14% recorreu alguma vez à contraceção de emergência, quando na realidade 33% das mulheres reportam já ter utilizado.

Ao mesmo tempo, as gravidezes indesejadas continuam elevadas a nível global, com aproximadamente 50% destas a terminar em aborto em países desenvolvidos. As gravidezes indesejadas são particularmente elevadas entre as mulheres mais jovens devido aos seus níveis de fertilidade superiores, bem como ao facto de algumas delas não usarem contracetivos corretamente.

As necessidades em planeamento familiar das mulheres continuam a mudar e verifica-se que as mulheres jovens atrasam a primeira gravidez aproximadamente nove anos após a primeira relação sexual, o que reforça a necessidade de contraceção eficaz e de longa duração.

 

Datas confirmadas até ao momento: 

8 de maio – Escola Superior de Enfermagem de Coimbra – Pólo A  (10h30 – 13h00)
16 de maio – Faculdade de Medicina de Coimbra (10h30 – 13h00)
17 de maio - Faculdade de Farmácia do Porto 
30 de maio - Campus das Gambelas da Universidade do Algarve
14 de junho - Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019