Lilly distinguida como uma das empresas mais éticas do mundo pelo 3.º ano consecutivo
Lilly distinguida como uma das empresas mais éticas do mundo pelo 3.º ano consecutivo

A farmacêutica Lilly foi distinguida pelo terceiro ano consecutivo como uma das empresas mais éticas do mundo pelo “2019 World Most Ethichal Companies”, e a única empresa distinguida no setor “Pharmaceuticals”. O reconhecimento do Ethisphere Institute baseia-se na avaliação percentual dos critérios: ética e conformidade, cidadania e responsabilidade corporativa, cultura e ética, modelo de administração, liderança, inovação e reputação.  

 

“A renovação desta distinção reflete a forma como a Lilly eleva a cultura corporativa e os programas de promoção de boas práticas, seja a nível externo como interno. É uma responsabilidade que queremos continuar a preservar”, destaca o Dr. António Leão, diretor-geral farmacêutica.

“Manter as relações de confiança com os doentes, profissionais de Saúde, parceiros, colaboradores e comunidades onde nos inserimos faz parte da nossa cultura desde há mais de 140 anos”, acrescenta.

No âmbito da cultura e ética corporativas, a Lilly mantém uma política interna que valoriza a diversidade e inclusão e está fortemente empenhada em minimizar o impacto ambiental causado pelo desenvolvimento e ciclo de vida dos seus produtos.

Do ponto de vista da regulamentação, além das normas locais e legislação do setor, a Lilly implementa políticas e procedimentos internos estritos por forma a garantir elevados padrões de ética.  

O Ethisphere Institute é conhecido pela definição e promoção de práticas comerciais éticas que sustentam o posicionamento corporativo das empresas, a confiança do mercado e o sucesso comercial.

A instituição distinguiu, este ano, um total de 128 empresas de 50 setores de atividade, em 21 países.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019