VII Jornadas de Atualização sobre IST: aumento da prevalência destas doenças em destaque
VII Jornadas de Atualização sobre IST: aumento da prevalência destas doenças em destaque

A Ordem dos Médicos no Porto vai acolher as VII Jornadas de Atualização sobre infeções sexualmente transmissíveis (IST) já no próximo sábado, dia 13 de abril. A reunião conta com o apoio do Grupo para o Estudo e Investigação das Doenças Sexualmente Transmissíveis (GEIDST) e da Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia (SPDV). As incrições estão a terminar.

 

“Sabemos hoje que as IST têm aumentado anualmente em Portugal, e é importante que os especialistas tenham acesso a informação actual e formas actuais de tratamento e abordagem às doenças”, afirmam as responsáveis pela reunião, a Dr.ª Madalena Sanches e a Dr.ª Natividade Rocha.“

As IST continuam a ser um importante e preocupante problema de Saúde Pública, quer pela capacidade de facilitar a transmissão do VIH, quer pelas implicações que podem ter na saúde materno-fetal e na saúde geral do indivíduo. São causa de doença inflamatória pélvica, infertilidade, aborto, parto prematuro e malformações graves do feto. Associam-se, ainda, a risco aumentado de morbilidade e mortalidade, por cancro do colo do útero, da vulva, oral, do ânus e, mais raramente, do pénis.

Na última década, verificou-se um aumento de IST, nomeadamente de sífilis, gonorreia, linfogranuloma venéreo por chlamydia trachomatis serotipos L1-L3 e hepatite A e C, particularmente em homens que têm sexo com homens (HSH).

Atualmente, em Portugal, as IST mais frequentes são: a infeção pelo vírus do papiloma humano (IST mais frequente na Europa e EUA, embora pareça estar a decrescer desde a introdução da vacina, apesar do carcinoma do canal anal ainda estar em crescimento), a infeção por chlamydia (a IST bacteriana mais frequente, provavelmente relacionada com a melhoria nos testes de diagnóstico), a sífilis (a aumentar desde 2000 na Europa Ocidental, em HSH e em VIH positivos), a infeção por neisseria gonorrhoeae (aumentou principalmente em HSH, sendo estes responsáveis por 50% dos casos), o herpes genital (continua a ser a principal causa de úlceras genitais em países desenvolvidos), o linfogranuloma venéreo por chlamydia trachomatis (aumentou desde 2003 na Europa e em Portugal foram identificadas 48 estirpes, 90% do tipo L2) e a trichomonas vaginalis.

Com a introdução, em junho de 2017, da profilaxia pré e pós-exposição ao VIH é muito provável que a incidência das outras IST venha a aumentar, com a exceção do VIH.

"É fundamental que os clínicos tenham consciência desta realidade para adotarem medidas de saúde mais eficazes, nomeadamente, rastreios de contatantes, vacinação terapêutica ajustada às recomendações da Direção Geral de Saúde (DGS) e dos Centros Europeus de Controlo de Doenças, com o objetivo de minimizar o risco de falência terapêutica e seleção de estirpes resistentes, particularmente em relação à infeção pela neisseria gonorrhoeae", concluíram as especialistas.

Para mais informações, pode consultar o programa completo pdfaqui.

As inscrições nas Jornadas decorrem até ao dia do evento. O formulário a preencher consta no programa e deve ser enviado para este email: info@gama-atl.pti.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019