Apoio aos países lusófonos africanos em destaque no 5.º Congresso Nacional de Medicina Tropical
05/04/2019 16:55:47
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Apoio aos países lusófonos africanos em destaque no 5.º Congresso Nacional de Medicina Tropical

As “Políticas e sistemas de serviços de saúde” são o mote do 5.º Congresso Nacional de Medicina Tropical, a decorrer no Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT), no próximo dia 10 de abril. A relevância da temática traz à 5.ª edição do Congresso a diretora regional da Organização Mundial de Saúde (OMS) para África, a Prof.ª Doutora Matshidiso Moeti, que vai estar presente para a palestra de abertura, subordinada ao tema “Towards Universal Health Care in África”.

 

O tema escolhido é um aspeto central do acordo quadro de prestação de apoio técnico aos países lusófonos em África, que o IHM assinou em junho passado com o Escritório Africano da OMS.

O principal objetivo do 5.º Congresso Nacional de Medicina Tropical é estabelecer uma plataforma para debater temas de politicas e sistemas de serviços de saúde, abordados da perspetiva do contributo para a universalidade dos sistemas de saúde nos Estados Membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, nomeadamente: a regulação do setor, o planeamento estratégico em saúde, a complexidade associada ao planeamento e à formação, a colocação e retenção da força de trabalho, a necessidades de saúde dos migrantes e viajantes e o crescente papel das TIC nos sistemas de serviços de saúde.

O Congresso vai abordar, ainda, malária, bilharziose, leishmanioses, tripanossomoses, zika, dengue, tuberculose, lepra, entre outros, em sessões científicas com o propósito de alargar as intervenções ao conjunto dos temas mais tradicionais na saúde tropical.

Em todos os temas abordados será revisto o estado da arte em termos de conhecimentos atuais, cobrindo aspetos que vão desde a investigação básica às questões relacionadas com a implementação de novas terapêuticas e tecnologias, desenvolvimento de parcerias, bem como, com diversos aspetos que influenciam os sistemas de saúde.

Desenvolvimentos importantes a médio prazo são esperados, na importância crescente das entidades de regulação do setor e nas estratégias globais para fazer frente aos défices da força de trabalho no que se refere ao desenvolvimento sustentável, ao enquadramento do desenvolvimento de sistemas de serviços de saúde e aos objetivos de desenvolvimento sustentável.  

O programa completo pode ser consultado pdfaqui.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019