Investimento no SNS permite retorno de mais de cinco mil milhões de euros para a Economia em 2018
02/04/2019 17:42:21
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Investimento no SNS permite retorno de mais de cinco mil milhões de euros para a Economia em 2018

Cerca de metade do valor investido no Serviço Nacional de Saúde (SNS) em 2018 retornou, no próprio ano, para a Economia, graças ao impacto positivo que os cuidados de saúde tiveram no absentismo laboral e na produtividade dos portugueses. No total, terão voltado para a economia nacional 5,1 mil milhões de euros. Os dados são do estudo Índice de Saúde Sustentável, desenvolvido pela NOVA Information Management School (NOVA-IMS) e apresentado hoje na 8ª Conferência AbbVie|DN|TSF.

 

Apesar da descida do índice de sustentabilidade, dos 103.0 pontos para os 100.7, o estudo realça o incremento da satisfação e confiança dos utentes e o aumento considerável da atividade do SNS em 2,5%. Para a queda do indicador, contribuiu o aumento da despesa (2,9%) e uma redução na qualidade global (a qualidade percecionada pelos cidadãos manteve-se estável, mas a técnica diminuiu).

“Houve, de facto, um aumento da despesa e uma ligeira diminuição da qualidade do SNS, que acabaram por ditar a redução do índice de sustentabilidade da saúde. No entanto, olhando para os vários parâmetros que compõem este índice, existem também aspetos francamente positivos como a redução da dívida do SNS, o aumento da atividade e uma qualidade percecionada pelos utentes que se mantém estável”, explica o Prof. Doutor Pedro Simões Coelho, professor da NOVA IMS e coordenador principal do projeto Índice de Saúde Sustentável.

Além de medir a sustentabilidade do sistema, o estudo calculou também o impacto do SNS no absentismo laboral e na produtividade dos utentes. Em média, os portugueses faltaram quase seis dias (5,9) ao trabalho em 2018, o que resultou num prejuízo de 2,2 mil milhões de euros. No entanto, a prestação de cuidados de saúde através do SNS permitiu evitar a ausência laboral de outros dois dias (2,4), representando uma poupança de 894 milhões de euros.

Também foi analisada a redução na produtividade tendo em consideração situações de doença que poderão ter influenciado o desempenho de uma pessoa num dia normal de trabalho. Por motivos de saúde terá existido uma perda de produtividade equivalente a 12,3 dias de trabalho, o que se traduz num prejuízo de 4,6 mil milhões de euros.

Porém, conclui-se também que o SNS permitiu evitar outros 6,8 dias de trabalho perdidos em produtividade, resultando numa poupança de 2,5 mil milhões de euros.

Totalizando o impacto no absentismo laboral e o impacto na produtividade, o SNS permitiu uma poupança total de 3,4 mil milhões de euros. Considerando o impacto dessa poupança por via dos salários e a relação entre a produtividade/remuneração do trabalho (valores referência do INE), é possível concluir que os cuidados prestados pelo SNS permitiram um retorno para a economia que ronda os 5,1 mil milhões de euros.

“Estes números comprovam que o SNS tem um impacto extremamente positivo, quer no absentismo laboral, como na produtividade, permitindo, não só poupanças significativas, mas também um importante retorno para a economia nacional”, salienta o Prof. DoutorPedro Simões Coelho.

Pela primeira vez, o estudo desenvolveu um índice de atuação preferencial, que resulta da avaliação que os utentes fazem dos determinantes da qualidade dos cuidados de saúde e da importância que atribuem a cada um deles. Com uma avaliação de 78,3, numa escala de 1 a 100, a qualidade dos profissionais de saúde é, na ótica dos utentes, o ponto mais forte do SNS e um ponto que deve ser valorizado.

Por outro lado, a facilidade de acesso aos cuidados (59 pontos) e os tempos de espera entre a marcação e a realização de atos médicos (54 pontos) são encarados como os dois aspetos mais negativos. Desta análise, resultou o índice de atuação preferencial, que estabelece prioridades e distribui a percentagem de investimento para cada determinante: qualidade dos profissionais de saúde (31%), facilidade de acesso aos cuidados (27%), tempos de espera entre a marcação e a realização de atos médicos (17%), qualidade da informação fornecida pelos profissionais (14%) e infraestruturas/equipamentos (10%).

Apesar de os utentes se mostrarem mais críticos em relação à adequação dos preços, nomeadamente do preço das taxas moderadoras (27% dos inquiridos consideram-nas inadequadas vs 24% em 2017), a atividade não realizada devido aos custos baixou. Em 2018, devido aos custos das taxas moderadoras terão ficado por realizar 503.749 episódios de urgência, valor que no ano anterior ultrapassava os 900 mil.

Se às taxas moderadoras se acrescentarem também as despesas de deslocação, a conclusão é idêntica: os custos têm cada vez menos impacto. No caso da consulta externa/especialidade num hospital público, por exemplo, não foram realizadas 637.132 consultas, valor que representa uma redução de 3,4% na atividade perdida face a 2017, ano em que ficaram por realizar mais de um milhão de consultas.

Por fim, o estudo avaliou também o índice global do estado de saúde dos portugueses, que se encontra nos 74,4 pontos – numa escala de 0 a 100, em que 100 corresponde ao estado de saúde ideal. Se a este índice fosse retirado o contributo do SNS, o valor ficaria apenas pelos 54,6 pontos, o que comprova que o SNS contribui fortemente para a perceção do estado de saúde dos cidadãos.

CarloPasetto1 b1f43


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019