Tecnologia desenvolvida na área de Oftalmologia pela UC recebe financiamento de 50 mil euros
19/03/2019 15:17:30
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Tecnologia desenvolvida na área de Oftalmologia pela UC recebe financiamento de 50 mil euros

Uma equipa de investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) está a desenvolver uma tecnologia que permite a libertação prolongada e controlada de fármacos e outras moléculas com atividade terapêutica nas mais diversas patologias oculares. Chama-se Ineye e acabou de receber um financiamento de 50 mil euros do projeto INOV C 2020.

 

O projeto, que arrancou em 2017, permite, por exemplo, substituir a aplicação diária de gotas para olhos em doentes com glaucoma ou em recuperação de cirurgias às cataratas.

O Ineye, chamado pelos criadores como “pequena pérola”, é um dispositivo que garante facilitar a adesão à terapêutica, uma vez que basta colocar o pequeno inserto junto ao olho, na pálpebra inferior, para dosear o medicamento de forma controlada e por um longo período de tempo.

De acordo com o Prof. Doutor Marcos Mariz, um dos responsáveis pelo projeto, as vantagens são inúmeras e não se esgotam na possibilidade de substituir a aplicação diária nos olhos.

"Podemos imobilizar no Ineye até dois ou três fármacos diferentes em simultâneo. Em situações de pós-operatório, em que é complicado aos doentes seguir a terapêutica com gotas de vários medicamentos em simultâneo, ou em casos como os de glaucoma, que afetam pessoas de idade que revelam ter dificuldade em colocar as gotas ou em lembrar-se se já as colocaram. Nestes casos esta é uma solução que garante um tratamento contínuo, uma vez que é suficientemente flexível para ter libertações de fármacos ao longo de sete a 300 dias", explica.

Os investigadores acreditam, ainda, que esta solução pode mesmo ser uma mais-valia para a indústria farmacêutica, em países com dificuldades de armazenamento, com acontece em África.

"Muitas gotas exigem refrigeração e só têm validade de um mês depois de abertas. Com o ineye, o doente tem garantida a estabilidade do produto, fica com o tratamento garantido por vários meses e não precisa de frigorífico", acrescenta.

Nos próximos meses decorrerá o primeiro ensaio in vivo desta tecnologia. Será avaliada a segurança e tolerabilidade do Ineye placebo em animais de companhia. O passo seguinte vai ser a execução deste ensaio em voluntários saudáveis, num estudo que envolverá várias unidades hospitalares do país.  

O INOV C 2020 teve em consideração o grau de inovação tecnológica e o potencial comercial das propostas, com vista à validação de conceitos teóricos, através de testes e protótipos, que possam elevar as tecnologias para os níveis quatro e cinco na escala “Technology Readiness Levels”.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019