Osteoporose está na origem de cerca de 40 mil fraturas por ano. Mulheres são as mais afetadas
18/03/2019 12:55:52
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Osteoporose está na origem de cerca de 40 mil fraturas por ano. Mulheres são as mais afetadas

Foi criada uma campanha que pretende sensibilizar a população para a osteoporose e o risco de fraturas. Chama-se “Impeça a Osteoporose de quebrar a sua rotina" e esteve no Mercado da Ribeira e na Estação Ferroviária do Cais do Sodré, em Lisboa, durante a manhã do dia 16 de março. A partir desse dia, também ficou disponível uma ferramenta de apoio aos doentes, com o lançamento da plataforma de educação “Ossos Fortes”. A iniciativa surge de uma colaboração entre a Associação Nacional contra a Osteoporose (APOROS), a Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR) e a Sociedade Portuguesa de Osteoporose e Doenças Ósseas Metabólicas (SPODOM), com o apoio da Amgen e da Infraestruturas de Portugal.

 

A plataforma digital aborda problemas como a falta de adesão à terapêutica, a carência de vitamina D, entre outros temas pertinentes, e suas implicações na saúde e bem-estar das pessoas com osteoporose. “Ossos Fortes” já está disponível.A plataforma aborda problemas como a falta de adesão à terapêutica, a carência de vitamina D, entre outros temas pertinentes, e suas implicações na saúde e bem-estar das pessoas com osteoporose. “Ossos Fortes” já está disponível.

Em Portugal, a osteoporose está na origem de cerca de 40 mil fraturas por ano, das quais têm um impacto negativo importante na morbilidade e na qualidade de vida dos doentes e que podem ter como consequência a redução da sua sobrevivência. Estima-se ainda que cerca de 40 a 50% dos doentes com mais de 70 anos vão necessitar de assistência e de apoio social, o que implica um investimento socioeconómico relevante.

Num estudo português publicado em 2016, estimou-se que a prevalência da osteoporose na população adulta em Portugal era de cerca de 10%, sendo mais frequente nas mulheres que nos homens. Num outro estudo recentemente publicado em 2018, sobre dados da população portuguesa, estimou-se uma prevalência de osteoporose de 50% na população feminina com mais de 65 anos, sendo que a prevalência de fraturas de fragilidade neste escalão etário foi de 21%. 

O Dr. Luís Cunha Miranda, presidente da SPR, alerta ainda que “20% das mulheres que sofrem uma fratura da anca acabam por falecer um ano após a fratura e, como tal, temos de promover a implementação de boas práticas que ajudem a melhorar a qualidade de vida dos doentes e diminuir a morbilidade e mortalidade na osteoporose”. As fraturas da anca em pessoas com osteoporose representam uma totalidade de dez mil fraturas anuais. 

Na visão da Dr.ª Viviana Tavares, presidente da APOROS, a plataforma é importante, uma vez que "partilha histórias reais, informação sobre como prevenir a osteoporose, um questionário de auto-avaliação sobre risco de fraturas, cuidados para evitar as quedas e as fraturas e medidas para um envelhecimento ativo".

“O nosso principal objetivo é que possam ser identificados os casos de osteoporose pós-menopáusica de maior risco atempadamente e tratá-los para contrariarmos a elevada incidência de fraturas nestes doentes e todos os problemas sociais que daí podem resultar”, afirma o Dr. Tiago Amieiro, diretor-geral da Amgen.

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019