Investigadores da Universidade do Porto criam ferramenta para medir destreza manual dos dentistas
28/02/2019 14:14:21
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Investigadores da Universidade do Porto criam ferramenta para medir destreza manual dos dentistas

Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto (FMDUP), do Laboratório de Biomecânica do Porto (LABIOMEP) e do Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial (INEGI) desenvolveu um instrumento inovador. Chama-se FIMAT e permite avaliar a destreza manual dos estudantes de Medicina Dentária na realização de tarefas que vão fazer parte do seu dia-a-dia profissional.

 

Na Medicina Dentária, um dos métodos práticos de ensino “consiste no exercício de realizar elementos de arame no âmbito da Ortodontia”, a área que se ocupa dos problemas no alinhamento funcional  da dentição (ex: aparelhos dentários). O novo método permite avaliar o grau de destreza manual dos alunos, um fator crucial para o sucesso nas suas vidas profissionais futuras.

No entanto, a avaliação destes elementos em arame, ainda que baseada em parâmetros específicos, “não deixa de estar revestida de um cariz eminentemente subjetivo”, explicam a Prof.ª Doutora Maria João Ponces e o Prof. Doutor Saúl Castro, ambos docentes da FMDUP. 

Foi a partir da identificação dessa “lacuna pedagógica” na vertente prática do curso de Medicina Dentária que surgiu a ideia de criar o FIMAT, acrónimo de Fine Motricity Assessment Tool. O passo seguinte passou pela “partilha dessa preocupação com o LABIOMEP, que auxiliou no desenvolvimento e conceção” do instrumento.

Segundo o Prof. Doutor Mário Vaz, investigador do LABIOMEP e coordenador do Laboratório de Ótica e Mecânica Aplicada (LOME) do INEGI, o caráter inovador do FIMAT assenta no “sistema automatizado de recolha de imagem vídeo com três câmaras, que atribui uma valorização quantitativa”, por exemplo, aos exercícios em arame feitos por estudantes de Medicina Dentária.

Este sistema, “baseado em processos comparativos de sobreposição de imagem”, permite, de acordo com o também professor da Faculdade, “medir o progresso evolutivo, identificando o nível de aptidão alcançado” pelos estudantes.

A aplicabilidade do FIMAT não se restringe, porém, à formação dos futuros dentistas. De acordo com os investigadores envlvidos, a ferramenta pode igualmente ser útil no “restabelecimento de capacidades motoras finas por parte de indivíduos que sofreram lesões, comprometendo o desempenho desta competência”.

Apesar de ainda estar em fase de protótipo, o equipamento já começou a ser testado em ambiente real, tendo-se os resultados revelado “muito promissores em termos de capacidade avaliativa”. Os responsáveis do projeto já estão por isso “à procura de um parceiro interessado em industrializar o produto”.

 

Fonte: Universidade do Porto


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019