Cientistas da Universidade do Minho desenvolvem nova geração de compressas
25/02/2019 16:11:21
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Cientistas da Universidade do Minho desenvolvem nova geração de compressas

Estima-se que só em Portugal haja 3,3 mil portadores de feridas crónicas ou traumáticas. No mundo, calcula-se que existam 300 milhões de feridas agudas, 100 milhões de feridas traumáticas e 20 milhões de feridas crónicas. Para ajudar a combater esta realidade, um grupo de cientistas do Centro de Engenharia Biológica (CEB) da Universidade do Minho, centro que atua nas áreas da Biotecnologia e Bioengenharia, criou uma nova geração de compressas - ou dressings – "tecnologicamente mais avançadas".

 

Em que diferem estas compressas das já usuais? Os investigadores da universidade explicam que se tratam de uma "solução mais eficiente, economicamente mais acessível e fácil de usar, associando ainda os fatores conforto, proteção, rapidez e qualidade da reparação dos tecidos". 

Estas contêm celulose bacteriana, um gel de celulose produzido por fermentação que possui propriedades regeneradoras, maleabilidade, resistência e aptidão para controlar o teor de humidade na ferida.

O trabalho terá aplicações no tratamento dos doentes com feridas crónicas ou traumáticas. As primeiras ocorrem, por exemplo, em idosos ou acamados que tenham de ficar mais tempo imobilizados, desenvolvendo as lesões.  

Além deste trabalho, os investigadores do CEB, cuja 40% das publicações científicas têm coautoria internacional, também estão a estudar a utilização da celulose para transportar fármacos, como a vitamina D, que "não só estimula a regeneração de feridas, como também promove a vascularização de tecidos", ou seja, a formação de vasos sanguíneos ou linfáticos num tecido que não os tinha ou os tinha em número deficiente.

 

 

Fonte: Sábado

Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019