Médicos já podem passar receitas através do telemóvel
21/02/2019 14:30:00
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Médicos já podem passar receitas através do telemóvel

Os médicos começaram a poder passar receitas através do telemóvel, desde ontem, dia 20 de fevereiro. A nova funcionalidade concebida numa aplicação chama-se PEM Móvel e surge, essencialmente, para ajudar os doentes quando o médico está longe, mas também para reduzir significativamente as receitas em papel.

 

O presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), o Prof. Doutor Henrique Martins, explicou à agência Lusa que esta nova funcionalidade será especialmente útil nos casos de consultas ao domicílio ou quando o médico se encontra longe do doente.

"Até aqui o médico tinha de usar computador com leitor de cartão, para o cartão da Ordem dos Médicos ou cartão do cidadão", indicou, acrescentando que a partir de agora passa a poder usar a chave móvel digital com valor de assinatura. 
Isso permite que as receitas médicas sejam passadas pelo médico através do telemóvel, sendo a receita eletrónica enviada diretamente para um número de telemóvel ou e-mail do utente. 

"A vida fica muito facilitada quando os doentes precisem de telefonar aos seus médicos ou em deslocações ao domicílio", considera Henrique Martins. 

De acordo com os SPMS, só no ano passado foram prescritas mais de meio milhão de receitas manuais e no domicílio, com os antigos modelos de receita A5 em papel.

Através desta nova funcionalidade, Henrique Martins espera uma "diminuição muito grande" das receitas em papel passadas nos casos em que os médicos se deslocam a casa do doente. 

Também no setor privado há ainda cerca de três milhões de receitas prescritas manualmente, que resultam por vezes de contactos telefónicos que os doentes têm com os médicos ou de pedidos de prescrição posteriores a uma consulta presencial.

"O médico pode até estar noutro país e passar uma receita ao seu doente através do telemóvel", indica o presidente dos SPMS, realçando que se trata do primeiro serviço do Estado a usar a chave móvel na capacidade de assinatura digital.

Segundo os SPMS, a aplicação "cumpre todos os requisitos de segurança" e é fácil de usar.

 

Fonte: Sábado


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019