Recordati e Helsinn chegam a acordo para direitos de comercialização exclusivos de cloridrato de clormetina
02/01/2019 15:50:26
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Recordati e Helsinn chegam a acordo para direitos de comercialização exclusivos de cloridrato de clormetina

A Recordati e a Helsinn anunciaram a assinatura de um contrato de licença entre a Orphan Europe e a Helsinn, concedendo à Orphan Europe direitos exclusivos para a comercialização de cloridrato de clormetina em todo o mundo, excluindo os Estados Unidos, China, Hong Kong e Israel.

O produto recebeu a designação de medicamentos órfãos na Europa, aprovada pela Comissão Europeia, sujeito a medidas de pós-autorização. Nos termos do contrato de licença, a Orphan Europe irá obter os direitos para comercializar, promover e distribuir o fármaco nos territórios designados e a Helsinn manterá os direitos de todo o desenvolvimento internacional, incluindo o desenvolvimento clínico, atividades regulatórias na UE e o fornecimento do produto para uso comercial.

O produto é uma nova formulação em gel, aplicada uma vez ao dia, indicada para o tratamento tópico do linfoma cutâneo de células T do tipo micoses fungóide (MF-CTCL).

Num comunicado divulgado à comunicação social, o vice-presidente e CEO do Grupo Helsinn, Dr. Riccardo Braglia, garante que “a Helsinn está comprometida a encontrar soluções para tratar e melhorar os sintomas do cancro, e temos o prazer de iniciar essa colaboração com a Orphan Europe”.

Já o Dr. Andrea Recordati, CEO do grupo Recordati, afirmou estar muito satisfeito com a adição deste tratamento inovador para o MF-CTCL ao portfólio de doenças raras da marca. “O tratamento desta doença rara ainda representa uma necessidade médica não atendida, uma vez que os tratamentos existentes têm eficácia limitada ou não são comparticipados”, explica, referindo que o produto “tem potencial para se tornar num produto muito importante, permitindo fortalecer significativamente o nosso portfólio de doenças raras a nível global”. “Espera-se que os lançamentos comecem num curto prazo na União Europeia e, em seguida, nos restantes territórios”, conclui.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019